Mercados num minuto Fecho dos mercados: Bolsas europeias registam maior subida em quase um mês, juros em queda

Fecho dos mercados: Bolsas europeias registam maior subida em quase um mês, juros em queda

As principais praças do Velho Continente registaram a maior subida em quase um mês, a reflectir o optimismo em torno dos resultados apresentados por algumas empresas.
Fecho dos mercados: Bolsas europeias registam maior subida em quase um mês, juros em queda
Bloomberg
Raquel Godinho 18 de Outubro de 2016 às 17:25

Os mercados em números

PSI-20 subiu 1,71% para 4.678,43 pontos

Stoxx 600 avançou 1,50% para 342,48 pontos

S&P 500 valoriza 0,81% para 2.143,72 pontos

"Yield" a 10 anos de Portugal desceu 0,7 pontos base para 3,245%

Euro perde 0,06% para 1,0993 dólares

Petróleo desvaloriza 0,06% para 51,49 dólares por barril em Londres


Bolsas europeias vivem melhor sessão em quase um mês

Depois de terem iniciado a semana em queda, as bolsas europeias voltaram aos ganhos, esta terça-feira. Numa altura em que os investidores aguardam com expectativa a reunião do Banco Central Europeu (BCE), os resultados apresentados por algumas cotadas melhoraram o sentimento dos investidores. O índice de referência europeu, o Stoxx 600, somou 1,71% para 4.678,43 pontos.

A bolsa nacional partilhou desta tendência positiva. O PSI-20 valorizou 1,71% para os 4.678,43 pontos. Num dia em que 15 cotadas fecharam do lado dos ganhos, o BCP foi a estrela da sessão. O banco disparou 9,62% para os 0,0171 euros, depois de ontem ter convocado os accionistas para a assembleia-geral, onde vão discutir, entre outras questões, o aumento do limite de votos de 20% para 30%, uma das exigências da Fosun para entrar no capital do banco. As cotadas da energia também contribuíram para este desempenho: a EDP somou 1,53% para os 2,99 euros e a EDP Renováveis avança 1,64% para os 7,083 euros. Os CTT recuperaram das quedas das últimas sessões e valorizaram 2,17% para os 6,028 euros.

 

Juros da dívida portuguesa atingem mínimos de um mês

Pela quarta sessão consecutiva, os investidores exigiram juros mais baixos para apostar na dívida portuguesa. Poucos dias depois da apresentação da proposta para o Orçamento do Estado para 2017 e uns dias antes do anúncio da decisão da DBRS sobre o "rating" de Portugal, agendada para sexta-feira, a "yield" das obrigações portuguesas a dez anos cedeu 0,7 pontos base para 3,245%, o valor mais baixo do último mês. E completou quatro dias em queda. Mas a taxa de juro da dívida alemã no mesmo prazo registou uma queda mais expressiva e aumentou o diferencial face à dívida alemã para 320,96 pontos.

Euribor fixam novos mínimos históricos

As taxas Euribor caíram, em todos os prazos, esta terça-feira, e atingiram os valores mais baixos de sempre. A taxa a três meses, que está em valores negativos desde Abril do ano passado, cedeu para -0,312%, depois de algumas sessões inalterada no mesmo valor. Atingiu, assim, um novo mínimo histórico. Já a taxa a seis meses, que serve de indexante em mais de metade dos créditos à habitação em Portugal, caiu para -0,209%, também o valor mais baixo de sempre. A Euribor a nove meses recuou para -0,133% e a taxa de mais longo prazo, a 12 meses, fixou um novo mínimo histórico nos -0,073%.

Inflação no Reino Unido acelera e anima libra

A libra está, esta terça-feira, a aliviar das quedas que registou nas últimas semanas. A animar a negociação da moeda britânica face ao dólar e face ao euro está o anúncio de que a inflação no Reino Unido registou o maior crescimento em dois anos. A libra sobe 0,98% para os 1,2302 dólares e avança 1,05% para os 1,1192 euros. Além disso, a divisa está também a ser impulsionada pelas declarações de juristas que admitem que "é muito provável" que qualquer acordo para a saída do Reino Unido da União Europeia tenha de ser ratificado pelo Parlamento, segundo a Bloomberg.
  

Previsão de aumento das reservas penaliza petróleo

Os preços da matéria-prima estão a negociar em queda, em ambos os mercados de referência. A penalizar o petróleo está a previsão dos analistas consultados pela Bloomberg de que, esta quarta-feira, o Departamento de Energia dos Estados Unidos anuncie um aumento de 1,7 milhões de barris nas reservas de crude, na semana passada. Em Londres, o Brent, que serve de referência às importações portuguesas, perde 0,06% para os 51,49 dólares por barril. Os preços já estiveram a perder mais de 1%, mas travaram as quedas devido à desvalorização do dólar.

Ouro em máximos de uma semana

O ouro está a valorizar pelo segundo dia e atingiu o valor mais elevado da última semana. A justificar este desempenho tem estado os dados publicados nos últimos dias nos Estados Unidos e que não aumentaram a expectativa de uma subida dos juros do outro lado do Atlântico. Estes indicadores não aumentaram a expectativa de uma subida do preço do dinheiro este ano e, deste modo, levaram também o dólar a desvalorizar. O metal precioso segue, assim, a valorizar 0,59% para os 1.263,24 dólares por onça.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas


Os ladrões de esquerda

PS DEIXA MORRER UTENTES DO SNS... PARA DAR MAIS DINHEIRO À FP:


- PS aumenta despesa com salários da FP em 500 milhões de Euros;

- PS reduz horário da FP para 35 horas;

- PS corta orçamento dos Hospitais Públicos.

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas


Os ladrões de esquerda

PS - PCP - BE -- ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


NOVAS PENSÕES MÍNIMAS SERÃO SUJEITAS A PROVA DE RENDIMENTO...

para se gastar mais dinheiro com os subsídios às pensões douradas da CGA.


(As pensões da CGA são subsidiadas em 500€, 1000€, 1500€ e mais, por mês.

Estas pensões sim, devem ser sujeitas a condição de recursos.

E não as mínimas.)

Anónimo Há 2 semanas


Os ladrões de esquerda

PS DEIXA MORRER UTENTES DO SNS... PARA DAR MAIS DINHEIRO À FP:


- PS aumenta despesa com salários da FP em 500 milhões de Euros;

- PS reduz horário da FP para 35 horas;

- PS corta orçamento dos Hospitais Públicos.

pub