Mercados Fed favorável à manutenção de subida gradual dos juros

Fed favorável à manutenção de subida gradual dos juros

As actas do encontro de Dezembro da Reserva Federal mostram que a maior parte dos membros do Comité do Mercado Aberto do banco central dos EUA estão a favor da continuação da política de subida gradual do custo do dinheiro no país.
Fed favorável à manutenção de subida gradual dos juros
Bloomberg
David Santiago 03 de janeiro de 2018 às 19:21

A política de aumento progressivo dos juros nos Estados Unidos deverá continuar em 2018. As actas relativas ao encontro de 12 e 13 de Dezembro da Reserva Federal, reunião em que foi decretado o terceiro aumento dos juros em 2017 (a taxa de referência subiu de 1,25% para 1,5%) e o quarto desde a crise financeira de 2007-08, e que foram divulgadas esta quarta-feira, 3 de Janeiro, mostram que a maior parte dos membros do Comité do Mercado Aberto (FOMC na sigla inglesa) da Fed são favoráveis a dar continuidade à política de aumento gradual dos juros na maior economia mundial. 

De acordo com uma estimativa feita por banqueiros centrais referida pela agência Bloomberg, a Fed deverá repetir em 2018 as três subidas dos juros decretadas em 2017.

Os membros do banco central americano debateram ainda as possíveis causas para a persistente inflação abaixo dos 2% (isto apesar de nos 12 meses findos em Novembro ter recuperado para 1,8%) e salientaram que o plano fiscal aprovado em Dezembro (que inclui enormes cortes de impostos) poderá contribuir positivamente para uma economia americana que atravessa uma fase de ganhos de robustez.

Por outro lado, identificaram uma possível pressão adicional da inflação como eventual factor para acelerar o ritmo de subida dos juros, algo que pode ser provocado por uma reforma fiscal que poderá tender a estimular a subida dos preços. Os membros do FOMC esperam que a redução da carga fiscal sobre famílias e empresas potencie o consumo e também contribua para um "modesto aumento das despesas de capital". Já se a inflação continuar aquém da meta dos 2%, a Fed admite a hipótese de abrandamento do ritmo de subida do custo do dinheiro. "A [taxa de] inflação poderá continuar abaixo do objectivo por um período mais longo do que actualmente é esperado", pode ler-se no documento hoje conhecido.

É que apesar do consenso alargado sobre a intenção de aumentar os juros por três vezes em 2018, os presidentes de duas Fed regionais, Neel Kashkari de Minneapolis e Charles Evans de Chicago, discordaram desse objectivo argumentando com o facto de a taxa de inflação ainda não ter atingido a meta definida como ideal pela instituição ainda liderada por Janet Yellen.

Fed ele perspectivas para o crescimento do PIB dos EUA

O bom momento da economia americana, que em 2017 confirmou a tendência de recuperação iniciada ainda durante os anos da administração Obama, levou a Reserva Federal a melhorar as estimativas relativas ao comportamento do PIB dos Estados Unidos. Agora os membros do FOMC esperam que a economia americana avance 2,5% em 2018 e já não os 2,1% anteriormente estimados. E admitem que a reforma fiscal promovida pelo presidente Donald Trump contribui para esta melhoria. 

"A maior parte dos membros indicou que as mudanças perspectivadas na política fiscal federal foram um factor que os levou a melhorar as suas projecções sobre o crescimento do PIB ao longo do próximo par de anos", referem as actas. 

(Notícia actualizada às 19:45)




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
pub