Bolsa Fidelidade já controla 98,7% da Luz Saúde

Fidelidade já controla 98,7% da Luz Saúde

A Fosun reforçou para 98,7% a sua participação na Luz Saúde, através da Fidelidade. Detém agora 94,04 milhões de acções da dona do Hospital da Luz.
Fidelidade já controla 98,7% da Luz Saúde
Negócios 07 de Outubro de 2016 às 22:45

A Fidelidade comprou mais de meio milhão de acções da Luz Saúde ao longo de ano e meio, passando a posição dos chineses da Fosun – que detém ambas as empresas [sendo que é dona da empresa da área da saúde através da seguradora] – de 93,8 para 94,38 milhões de títulos na empresa liderada por Isabel Vaz.


Em comunicado enviado à CMVM, a Luz Saúde informa que estas transacções ocorreram entre 9 de Fevereiro de 2015 e 6 de Setembro de 2016.


A Fidelidade detinha 93.861.393 acções da Luz Saúde, tendo no final de todas estas transacções ficado com 94.383.588 títulos [aquisição de 522.195 acções], o que corresponde a 98,7% da empresa dona do Hospital da Luz e que gere o Hospital Beatriz Ângelo.

Em Outubro de 2014, concluída a oferta pública de aquisição (OPA) lançada pela Fidelidade à dona do Hospital da Luz (então denominada Espírito Santo Saúde), a seguradora ficou com 96% da empresa.


A Luz Saúde fechou a sessão bolsista de 29 de Setembro, a mais recente sessão em que mudaram títulos de mãos, a perder 14,80% para 2,13 euros.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 08.10.2016

Tudo com a ajuda da CMVM que ilegalmente negou o direito de alienação potestativa a muitos investidores! Os lesados esperam há anos por uma decisão dos tribunais

Atenção aos chinocas 08.10.2016

Negócio da china, cortaram o dividendo, desvalorizaram a acção o pessoal foi vendendo a perder bastante e eles foram acumulando até agora. Resultado, tudo é deles por baixo custo.

Anónimo 07.10.2016

Uns dizem quem manda pode,outros dizem o dinheiro fala sempre mais alto,eu inclino-me mais para a segunda.Portugal ja nao manda em nada.

pub
pub
pub
pub