Obrigações Fitch corta rating da Turquia para "lixo"

Fitch corta rating da Turquia para "lixo"

Das três principais agências de notação financeira, só a Fitch mantinha ainda a classificação soberana da Turquia na categoria de investimento de qualidade. Hoje, deixou de o fazer.
Fitch corta rating da Turquia para "lixo"
Reuters
Carla Pedro 27 de janeiro de 2017 às 22:55

A Fitch desceu o rating da dívida soberana de longo prazo da Turquia em um nível, de BBB- para BB+, conforme se previa. O novo patamar corresponde ao primeiro nível da categoria de investimento especulativo, o chamado "lixo".

 

Depois da Moody’s e da Standard & Poor’s, só faltava a Fitch, de entre as três principais agências de rating, tomar a decisão de classificar a dívida soberana da Turquia como "junk".

 

Já a perspectiva (outlook) para a evolução da dívida manteve-se estável, o que significa que a agência não prevê, no curto prazo, voltar a cortar o rating.

 

A justificar esta decisão de descer a classificação soberana estão os receios em torno da política monetária e da própria situação política do país, referiu a agência no relatório divulgado esta sexta-feira, 27 de Janeiro.

 

Este "downgrade" surgiu algumas horas depois de a S&P ter surpreendido os investidores ao rever em baixa a perspectiva para a dívida soberana turca, passando o "outlook" de "estável" para negativo" – uma indicação de que pode vir a cortar a notação em breve.

 

Ambas as agências, citadas pela Reuters, manifestam alguma preocupação face à insegurança política no país após a tentativa de golpe de Estado no ano passado.

 

A lira turca segue a perder 0,25% face à nota verde a valer 0,2583 dólares. Desde o início do ano acumula uma queda de 8%, tornando-a uma das moedas com pior desempenho entre os principais mercados emergentes.

 

O banco central turco subiu juros esta semana, "mas não o suficiente para impedir que a lira continuasse a perder terreno", sublinha a Reuters.

 

 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
beachboy Há 4 semanas

...inflação, desemprego, déficit e FMI (para não haver bancarrota)...
...a descida aos infernos pela mão dos islamitas!...
...é assim a vida!...

pub