Obrigações Fitch deve melhorar perspectiva de Portugal de "estável" para "positiva"

Fitch deve melhorar perspectiva de Portugal de "estável" para "positiva"

A agência de notação financeira Fitch deverá esta noite anunciar uma melhoria do "outlook" para a evolução da dívida soberana de Portugal, avança o Expresso.
Fitch deve melhorar perspectiva de Portugal de "estável" para "positiva"
Negócios 16 de junho de 2017 às 18:18

As três principais agências de rating consideram "estável" a perspectiva da dívida soberana da República Portuguesa, mas as expectativas de que a Fitch esta noite eleve esse "outlook" para "positivo" têm vindo a intensificar-se, especialmente depois do tom optimista no discurso de hoje do ministro das Finanças, Mário Centeno.


Agora, o semanário Expresso vem confirmar essas expectativas, avançando que soube, de fonte segura, que a Fitch irá colocar a perspectiva portuguesa em ‘positiva’ no relatório que divulgar esta sexta-feira à noite, após o fecho das bolsas norte-americanas (21:00 em Portugal).


Ter uma perspectiva "positiva" é meio caminho andado para ser depois elevado o rating soberano – que está a um nível de sair do lixo tanto no caso da Fitch como da S&P e Moody’s.

E isso poderá então acontecer já na próxima revisão, agendada para 15 Dezembro deste ano, se o "outlook" for hoje revisto em alta – a concretizar-se, a classificação soberana passaria de BB+ (o primeiro nível da categoria de investimento especulativo, o chamado lixo) para BBB- (o último nível da categoria de investimento de qualidade).

Além da Fitch, S&P e Moody’s, também a canadiana DBRS é tida em conta pelo Banco Central Europeu para as suas avaliações. Destas quatro, apenas a DBRS tem actualmente a notação soberana de Portugal fora de lixo – sendo que o "outlook" é "estável".

Ao ser a única agência que mantém Portugal acima de "lixo", a DBRS tem o poder de ligar ou desligar Portugal da máquina do Banco Central Europeu, uma vez que é a única actualmente que garante a elegibilidade da dívida nacional para os programas de compra do BCE.

Com a decisão de hoje, a Fitch é a primeira das três maiores agências de rating com a opção de se pronunciar sobre Portugal após a saída do país do Procedimento por Défice Excessivo (PDE) e depois de Pierre Moscovici, comissário europeu dos Assuntos Económicos, ter defendido que Portugal merece uma avaliação mais positiva.

Entre as três maiores agências, a Fitch foi a que esteve mais perto de retirar Portugal da classificação vista como lixo pelos mercados. Entre Abril de 2014 e Março de 2016 teve o rating de BB+ com perspectiva "positiva", o que indiciava a possibilidade de fazer uma melhoria da classificação. Mas em Março de 2016 cortou a perspectiva para "estável".


(notícia actualizada às 18:36)




A sua opinião37
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 16.06.2017

O Jornal de Negócios, enquanto órgão de informação económica com notabilidade a nível nacional, que insista na pedagogia e no esclarecimento cabal em relação ás inevitáveis transformações urgentes que se impõem nas economias mais avançadas, às quais a portuguesa, por mais capturada e mal orientada que se afigure, não estará imune se quiser permanecer no chamado Primeiro Mundo. Na Holanda as organizações não dão guarida ao excedentarismo sindicalizado de carreira que atrasa o mais económico e eficiente progresso tecnológico, obstaculiza a justiça social, impede a sustentabilidade do Estado e enfraquece a economia por via do entorpecimento do empreendedorismo, do investimento reprodutivo e da capacidade de inovação. "Fewer people and more technology – that is the plan just announced by ING. The largest financial services company in the Netherlands is getting rid of 7,000 positions." http://www.euronews.com/2016/10/03/netherlands-bank-ing-to-cut-7000-jobs-in-digital-quest

comentários mais recentes
Anónimo 17.06.2017

Depois de dar banho ao Cão vou mandá-lo Caçar Panascas como tu no Largo do Rato.

Helder 17.06.2017

Temos por aqui um explicador, vá dar banho ao cão

Vou explicar ao Punitor 16.06.2017

Os Bancarroteiros do País nunca terão credibilidade nenhuma serão sempre pessoas criminosas! Percebeu? Ou é preciso fazer um desenho?

Punitor 16.06.2017

É uma ingratidão algumas opiniões aqui tecidas.
Quando a coisa vai mal, critica-se; quando a coisa vai bem, critica-se...
O que me parece é que muitas das diarreias mentais que aqui se escrevem, são produzidas por encéfalos atrofiados sem capacidade de visão ou de mudança. Tudo o que saia para além do conteúdo destas mentes iluminadas tecnocratas é o abismo.
Comparar Portugal à Holanda ou a qualquer país do norte é uma aberração. Comparem coisas idênticas meus senhores, ou o vosso raciocínio não o permite?
Quanto ao excedentarismo da força de trabalho, infelizmente qualquer um de vós deveria perder o emprego para se poder comparar a um país civilizado. Se se perde o emprego na Dinamarca, no dia a seguir há 20 empregos novos à escolha. Aqui se se perde o emprego quase que se fica na condição de mendigo, sem abrigo.
Comparem coisas idênticas, se souberem comparar, claro...

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub