Obrigações Forte subida dos juros da Alemanha leva spread de Portugal para novos mínimos

Forte subida dos juros da Alemanha leva spread de Portugal para novos mínimos

O anúncio de corte de estímulos por parte do Japão, que está a elevar a especulação em relação outros bancos centrais e o possível corte de compra de dívida dos EUA por parte da China, estão a provocar subidas dos juros americanos, que estão em máximos de quase sete anos, bem como da Alemanha.
Forte subida dos juros da Alemanha leva spread de Portugal para novos mínimos
Bloomberg
Sara Antunes 10 de janeiro de 2018 às 14:49

Os investidores parecem ter sido apanhados de surpresa pelo Banco do Japão, que esta semana reduziu o ritmo de compra de dívida de longo prazo, o que fez soar os alarmes no mercado, já que elevou a especulação em torno da retirada de estímulos por parte dos grandes bancos centrais.

 

"O grande foco tem estado na Reserva Federal e no BCE, mas toda a gente parece que se esqueceu do Banco do Japão. Parece que assumiram que o Banco do Japão iria manter o pé a fundo no acelerador", salientou à Reuters o analista-chefe da CMC, Michael Hewson.  

 

"Quando [o Banco do Japão] reduziu o programa de compra de obrigações, de repente as pessoas pensaram que talvez estivessem a subestimar o Banco do Japão, que talvez devessem prestar mais atenção ao caminho das políticas monetárias … e penso que isso causou uma reavaliação do risco no mercado de obrigações", acrescentou.

 

E este contexto está a ser visível no mercado. As taxas de juros dos EUA estão a subir quase quatro pontos base, no prazo a 10 anos, para 2,5898%, o que representa o valor mais elevado desde Março de 2017. Já no prazo a cinco anos, a subida é de cerca de dois pontos para 2,351%, um máximo de Fevereiro de 2011.

 

A contribuir para a subida dos juros americanos estão também as notícias que apontam para que as autoridades chinesas estejam a recomendar um abrandamento, ou suspensão, de compra de obrigações dos EUA.

 

No mesmo sentido seguem as bunds, com a dívida alemã a 10 anos a subir 7,6 pontos base para 0,541%. Este desempenho faz com que o prémio de risco da dívida portuguesa diminua para cerca de 130 pontos base, o que corresponde ao valor mais baixo desde Março de 2015, apesar da dívida nacional estar a subir. Os juros portugueses estão a registar uma subida de 0,5 pontos base para 1,868%.

 

A contribuir para a subida dos juros da Alemanha estarão também as emissões de dívida realizadas esta quarta-feira, 10 de Janeiro, por países como Portugal ou Itália, cujos juros pagos são mais atractivos, pelo que os investidores poderão estar a optar por aumentar a exposição a estes mercados em detrimento da Alemanha.

 

Portugal colocou 4 mil milhões de euros numa emissão sindicada, com maturidade a 10 anos. A emissão atraiu uma forte procura, o que contribuiu para baixar o custo do financiamento para um valor entre 2,13% e 2,14%.

 

Itália também esteve no mercado, tendo emitido nove mil milhões de euros, a 20 anos, com os juros a rondarem os 2,25%.




A sua opinião16
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Anónimo 10.01.2018

Ui... estão lixados os alemães com juros de 0,541% a 10 anos. Coitadinhos deles. Não se aguentam.

comentários mais recentes
Anónimo 10.01.2018

Para pagar a sua dívida nos próximos 40 anos, os germânicos estão a apostar forte no... turismo.

Anónimo 10.01.2018

O Diabo é o salário mínimo elevado e as prestações sociais generosas serem sustentáveis na Holanda, na Dinamarca, na Finlândia, na Suíça, até em Espanha, e em Portugal não o serem. E tudo com taxas de juro da dívida negativas ou bem próximas de zero, sem dívida pública excessiva fora de controlo, sem mortes perfeitamente evitáveis por conta do Estado que pressionado pela despesa reduz o investimento público ao mínimo e com inúmeras empresas sediadas localmente a criar valor no mercado global, agora e no futuro.

o DR TOLIÇES NESPEREIRA 10.01.2018



O DR TOLIÇES NESPEREIRA ( MASSA BRUTA ) hoje está EXTASIADO de TANTA FELICIDADE sentadinho em sua POLTRONA ao ver o DETUSH BANK a subir 3 % e o MILENIUM BCP a descer 5 %

só o DR TOLIÇES ainda não ENTENDEU 10.01.2018

AS AÇÕES do MILENIUM BCP são PURO OURO

ver mais comentários