Petróleo França quer acabar com produção de hidrocarbonetos no seu território

França quer acabar com produção de hidrocarbonetos no seu território

O governo francês apresentou um projecto de lei que pretende acabar com a produção de hidrocarbonetos no seu território e espera que outros países sigam o seu exemplo.
França quer acabar com produção de hidrocarbonetos no seu território
Lusa 07 de setembro de 2017 às 00:37

"Estamos na vanguarda desta ambição (acabar com a produção de hidrocarbonetos), que é de França e deve ser do mundo", declarou o presidente Emmanuel Macron citado pelo porta-voz do governo, Christophe Castaner.

 

O texto, apresentado pelo ministro da Transição Ecológica, Nicolas Hulot, prevê que nenhuma autorização para exploração de hidrocarbonetos seja atribuída, o que vai colocar um fim à procura de novas jazidas de petróleo ou gás.

 

Entretanto, as concessões de exploração existentes não vão ser renovadas além de 2040, se bem que a produção se possa prolongar para além desta data.

 

O governo deseja que a lei seja adoptada antes do final do ano, para ficar efectivada uma promessa de campanha do chefe de Estado eleito em Maio.

 

A França é um operador menor nesta indústria. Extrai cerca de 815 mil toneladas de petróleo por ano, tanto quanto a Arábia Saudita produz em algumas horas. Esta quantidade corresponde a apenas 1% do consumo francês: o país importa massivamente o seu petróleo, cuja principal utilização está no sector dos transportes, e o seu gás, que é utilizado designadamente para aquecimento. 

 

"A produção francesa pode ser considerada como marginal em relação ao nosso consumo, mas somos o primeiro país a tomar este tipo de medidas", disse à AFP Nicolas Hulot, que aposta no facto de "outros países seguirem o exemplo" da França. Em relação ao gás de xisto, a sua extracção vai ser interdita, qualquer que seja a técnica utilizada. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub