Mercados Fraude nos EUA leva a apreensão de depósitos em Portugal

Fraude nos EUA leva a apreensão de depósitos em Portugal

No seguimento da acusação nos EUA a duas empresas portuguesas, que utilizavam o nome Wings Network, por operação em esquema em pirâmide, foram congeladas contas bancárias em Portugal, confirma a PGR.
Fraude nos EUA leva a apreensão de depósitos em Portugal
Bruno Simão/Negócios
Vera Ramalhete 26 de março de 2015 às 15:48

A acusação nos EUA contra duas empresas que operavam sob a forma de esquema em pirâmide levou à apreensão de depósitos em Portugal. "Foram apreendidas, por via da prevenção do branqueamento, várias quantias significativas depositadas em contas em Portugal", afirmou o gabinete de imprensa da Procuradoria Geral da República (PGR), contactado pelo Negócios.

 

As duas empresas portuguesas, Tropikgadget Unipessoal e Tropikgadget FZE, que operavam sob o nome Wings Network foram acusadas pelo regulador do mercado dos EUA (SEC) de operarem em esquema em pirâmide. A queixa foi registada no Tribunal de Boston, dia 25 de Fevereiro, e contempla ainda 15 indivíduos, incluindo o português Carlos Luís da Silveira Barbosa, presidente executivo da Wings Network, e Cláudio de Oliveira Pereira Campos, que actuava como director de operações.

 

Segundo a acusação, as empresas burlaram em 23,5 milhões de dólares (22,2 milhões de euros) milhares de investidores, especialmente nas comunidades de imigrantes brasileiros e dominicanos nos EUA. "A empresa dependia do recrutamento de novos membros e as comissões eram pagas aos investidores mais antigos com o dinheiro dos novos investidores", acusa o SEC. Esta queixa surge no seguimento de outro processo a decorrer no Tribunal de Massachutes, aberto em Abril de 2014.

 

A operação contou com a colaboração da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) portuguesa e da Procuradoria-Geral da República de Portugal (PGR). "Confirma-se o pedido de cooperação das autoridades dos Estados Unidos da América, às quais têm sido fornecidas informações sobre o processo", afirma a fonte da PGR ao Negócios.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
José 01.04.2015

O que vai acontecer às contas bancárias congeladas? O dinheiro vai ser depois devolvido aos clientes enganados? Obrigado.

RTP 26.03.2015

Estes devem ser também amigos do Sr . Sócrates.

pub