Bolsa Fundo do Santander comprou 2,465% da F. Ramada

Fundo do Santander comprou 2,465% da F. Ramada

O Santander Asset Management adquiriu 631.943 acções da F. Ramada passando a deter uma participação qualificada de 2,465% da empresa portuguesa. A empresa portuguesa tem agora sete accionistas com participações qualificadas.
Fundo do Santander comprou 2,465% da F. Ramada
David Santiago 21 de agosto de 2017 às 17:31

A F. Ramada tem mais um accionista qualificado. O Santander Asset Management, um fundo de gestão de activos do banco espanhol Santander, comprou 631.943 acções e passou a deter uma participação qualificada de 2,465% no capital social da empresa portuguesa.

 

Em comunicado enviado esta segunda-feira, 21 de Agosto, à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a F. Ramada revela ter recebido, no passado dia 18, a informação de que a operação foi realizada em 25 de Julho último pelo Fundo Santander Small Caps España, que é gerido pelo Santander Asset Management.

 

Na nota enviada ao regulador dos mercados, a F. Ramada refere que "esta participação deveria ter sido comunicada em 27 de Julho de 2017 mas devido a um erro operacional não foi atempadamente reportada". E acrescenta que a participação se mantém acima dos 2%, o limiar mínimo a partir do qual é obrigatória a comunicação ao regulador.

 

Assim, a F. Ramada, cuja composição accionista é em parte partilhada com a da Cofina, proprietária de publicações como o Negócios ou o Correio da Manhã, passou a ter na estrutura accionista mais um detentor de uma participação qualificada.

 

Também no dia 25 de Junho a espanhola Magallaes Value Investors adquiriu 894.128 acções da F. Ramada, passando a deter uma participação de 3,487%. 

 

Ambas as operações foram realizadas em bolsa em 25 de Junho, o dia em que a F. Ramada comunicou à CMVM a concretização da colocação no mercado de acções próprias, uma operação que representou um encaixe financeiro de 18,026 milhões de euros.

 

São agora sete os accionistas detentores de participações qualificadas na empresa que resultou de uma cisão da Altri.  A Caderno Azul, de João Borges de Oliveira, detém 20,67%, Ana Menéres de Mendonça, através da Promendo, controla 19,29% da empresa e a Actium Capital, de Paulo Fernandes, detém 15,64% dos direitos de voto.

Segue-se com 12,16% a Livrefluxo, liderada por Domingos Vieira de Matos, e Pedro Borges de Oliveira que através da 1 Thing Investments é proprietário de 8% da empresa industrial. Todos estes empresários são também accionistas da Cofina.

 

Os mais recentes são então a Magallaes Value Investors (3,49%) e o Santander Asset Management (2,465%).

 

A F. Ramada que registou lucros de 5,77 milhões de euros no primeiro semestre, um resultado que representa um crescimento de 23% face ao período homólogo, encerrou a sessão bolsista desta segunda-feira inalterada nos 8,05 euros por acção. Desde o início deste ano a empresa acumula uma valorização de 57,53% para uma capitalização bolsista que se fixa actualmente nos 206,4 milhões de euros.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 4 semanas

Estou para ver se vai pagar alguma multa por ter comunicado fora de prazo.
Se fosse um Fundo Português em Espanha a esta hora a CMVM espanhola já lhe tinha passado a multa.

pub
pub
pub
pub