Fundos de investimento Fundos nacionais apostam forte no BCP

Fundos nacionais apostam forte no BCP

Do total investido pelos fundos de investimento em acções portugueses, quase 10% estava em Abril aplicado no BCP, que reforçou o estatuto de preferida dos gestores.
Fundos nacionais apostam forte no BCP
.
Nuno Carregueiro 16 de maio de 2017 às 18:39

Os fundos de investimento portugueses participaram no aumento de capital do Banco Comercial Português e desde então o banco liderado por Nuno Amado tem vindo a ganhar peso nas carteiras.

 

A conclusão obtém-se a partir dos dados da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), que esta terça-feira, 16 de Maio, actualizou as estatísticas dos fundos de investimento mobiliário relativas a Abril.

 

Em Janeiro os fundos geridos em Portugal tinham uma participação residual no BCP, sendo que o banco não surgiu na lista das 10 acções preferidas dos gestores. Mas em Fevereiro, mês em que foi realizado o aumento de capital de 1,33 mil milhões de euros, o valor aplicado pelos fundos no BCP disparou mais de 400%, com o banco a surgir em segundo lugar na lista das cotadas favoritas.

 

O primeiro lugar na carteira foi atingido em Março, mês em que 9,2% do montante aplicado pelos fundos em acções nacionais estava investido no BCP.

 

O estatuto foi reforçado em Abril com o investimento dos fundos no BCP a subir 4,2% para 16,7 milhões de euros, o que corresponde a 9,6% do total aplicado em acções nacionais.

 

O banco liderado por Nuno Amado é assim, pelo segundo mês consecutivo, a cotada nacional preferida dos gestores dos fundos de investimento portugueses. Uma aposta que deu frutos, já que o BCP atingiu recentemente o nível mais elevado do ano, cotando bem acima do preço da altura do aumento de capital.

 

A Galp permanece em segundo lugar, com o investimento na petrolífera a estabilizar em Abril nos 15,7 milhões de euros (peso de 9%). Segue-se a Sonae SGPS e a Navigator.

 

Entre os maiores aumentos de investimento em Abril, destacam-se os CTT (9%) e a EDP Renováveis (7,2%), com os gestores de fundos a apostarem na empresa que foi alvo de OPA da casa-mãe.

 

No total, os fundos aumentaram em Abril o investimento nas acções nacionais em 0,4% para 174,1 milhões de euros.

 

O investimento em acções estrangeiras foi ligeiramente mais elevado (1% para 1.037 milhões de euros). A Siemens é a cotada preferida na União Europeia e a Apple fora desta região, sendo que ambas captam mais investimento do que o BCP, com o valor aplicado em cada uma a ficar acima dos 20 milhões de euros.

 

Segundo a CMVM, o Luxemburgo continuou a ser o principal destino de investimento dos fundos em Abril, ao absorver 18,5% do total das aplicações dos fundos, seguido do Reino Unido (12,5%), de Portugal (12,3%) e da Alemanha (11,3%).

 

As sociedades gestoras com as maiores quotas de mercado foram BPI Gestão de Activos (30,5%), a Caixagest (29,6%) e IM Gestão de Ativos (14,4%).


A sua opinião18
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana

O que mais deve preocupar os portugueses junto do sector financeiro são os conflitos de interesse e as quebras do dever fiduciário. Conflitos de interesse como aqueles que se prendem com os resgates estatais e subsídios constantes à banca, aos banqueiros e, é bom nunca esquecê-lo, aos milhares de bancários e ex-bancários, agora aposentados, deste país. Isto constitui um onerosíssimo custo de oportunidade. As quebras de dever fiduciário prendem-se com situações de alterações de termos de contrato que prejudicam os clientes, comissões ocultas, aumento indiscriminado de comissões, burocracias anacrónicas, etc. Isto constitui um onerosíssimo custo de contexto.

comentários mais recentes
Ciifrão Há 1 semana

Quando os fundos estiverem todos no BCP vamos ter crise ... vai tudo ao fundo.

suiriri Há 1 semana

Fundos nacionais apostam forte no BCP, mas o BCP aposta muito fraco juntamente com a UGT (PSD/PS) é no aumento das reformas dos reformados com uma reforma de 748 euros que há décadas não são aumentados..

Anónimo Há 1 semana

Comprar para perder só no BCP

Anónimo Há 1 semana

Se o BCP chega aos 0.20 eu entro com força ou melhor aumento a minha participação, mas não vendo abaixo dos 0.35 nem que espere 10 anos! os €€€€ em casa ou no banco não dão nada....

ver mais comentários
pub