Bolsa Furacão Irma e tensões EUA- Coreia do Norte abalam Wall Street

Furacão Irma e tensões EUA- Coreia do Norte abalam Wall Street

As bolsas norte-americanas encerraram em terreno negativo, penalizadas sobretudo pela escalada das tensões entre Washington e Pyongyang e numa altura em que se fala que a Coreia do Norte pode lançar mais um míssil balístico já no próximo sábado. O furacão Irma, que se aproxima a 240 km/hora da Florida, fez tremer as seguradoras.
Furacão Irma e tensões EUA- Coreia do Norte abalam Wall Street
Reuters
Carla Pedro 05 de setembro de 2017 às 21:31

O Dow Jones fechou a sessão desta terça-feira a cair 1,07% para 21.753,31 pontos e o Standard & Poor’s 500 desvalorizou 0,76% para 2.457,85 pontos.

 

Também o índice tecnológico Nasdaq Composite acompanhou a tendência de descida, terminando com um perda de 0,93% para se estabelecer nos 6.375,57 pontos.

Depois de terem estado ontem encerradas, para comemoração do Labour Day, as bolsas do outro lado do Atlântico iniciaram assim no vermelho a sua semana de negociação.

 

O agudizar de tensões entre a Coreia do Norte e os EUA continua a penalizar as bolsas de todo o mundo e em Wall Street não é excepção. Seul veio dizer que é provável que Pyongyang proceda ao lançamento de um míssil balístico no sábado, o que veio agravar o clima de incerteza junto dos investidores, que estão a preferir valores-refúgio, como o ouro.

 

Além disso, o presidente russo, Vladimir Putin, veio hoje fazer eco do que já tinha sido dito pela China, rejeitando os apelos dos EUA no sentido de se decretarem novas sanções contra a Coreia do Norte para que o país abandone os seus programas atómico e de mísseis.

 

Por outro lado, o furacão Irma está a provocar grandes inquietações, não só junto da população norte-americana mas também dos investidores.

 

Numa altura em que o Texas, com relevo para a região de Houston, ainda lida com a devastação provocada pelo furacão Harvey, a Florida prepara-se agora para um forte embate, com a chegada do furacão Irma a 240 quilómetros por hora - que já levou o governador Richard Lynn Scott a declarar estado de emergência.

"O furacão Irma tornou-se a mais potente tempestade a formar-se no Oceano Atlântico, a caminho da Florida com uma perspectiva de danos materiais que poderão superar os do furacão Katrina", refere a Bloomberg.

Os títulos mais pressionados pelos receios em torno do furacão Irma foram os das companhias de seguros. O Barclays estima que as perdas de bens segurados, no pior cenário, poderão ascender a 130 mil milhões de dólares.

Também as operadoras de cruzeiros no Sul da Florida estiveram a perder terreno, com destaque para a Carnival Corp., Royal Caribbean Crises e Norwegian Cruise Line Holdings.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub