Mercados Gabriela Figueiredo Dias: "Há que recuperar a confiança dos investidores no mercado"

Gabriela Figueiredo Dias: "Há que recuperar a confiança dos investidores no mercado"

A futura presidente do regulador do mercado de capitais foi ouvida, esta quarta-feira, no Parlamento. "O grande desafio é a necessidade de prosseguir o esforço de enfrentar a perda de confiança dos investidores fruto dos eventos recentes", afirmou Gabriela Figueiredo Dias
Gabriela Figueiredo Dias: "Há que recuperar a confiança dos investidores no mercado"
Miguel Baltazar / Negócios
Raquel Godinho 19 de Outubro de 2016 às 11:39

Recuperar a confiança dos investidores no mercado português é o grande desafio que a futura presidente da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) identifica nas funções que está prestes a assumir. Mas não é o único.

 

Gabriela Figueiredo Dias foi ouvida, esta manhã, na Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa (COFMA), no Parlamento. Trata-se de mais um passo no sentido da sua nomeação como presidente da CMVM, depois de ter contado com o "ok" da CRESAP.

 

"O grande desafio é a necessidade de prosseguir o esforço de enfrentar a perda de confiança dos investidores fruto dos eventos recentes", afirmou Gabriela Figueiredo Dias na sua apresentação inicial. A actual vice-presidente do regulador reconhece que "houve um impacto significativo na confiança dos investidores no mercado".

 

"Há que recuperar a confiança dos investidores" e este tem sido "um esforço e um objectivo da CMVM nos últimos tempos", afirmou. Para isso, é importante "ajustar a organização e prepará-la para enfrentar este desafio", frisou Gabriela Figueiredo Dias.

 

Mas a futura presidente da CMVM reconheceu também que o seu mandato terá que enfrentar outros riscos de "diversa natureza". Por um lado, há "alguma incerteza no que respeita ao novo modelo de supervisão, a nível nacional" e, por outro lado, há também questões relacionadas com o contexto macroeconómico nacional e internacional.

 

Contudo, Gabriela Figueiredo Dias destacou também o "Brexit que terá naturalmente impactos a nível do mercado" bem como a transposição da DMIF II. A futura presidente da CMVM frisou ainda "um conjunto de riscos de mercado e de supervisão, alguns resultantes da venda desadequada de produtos financeiros".

 

Em relação a este tema, revelou a sua preocupação relativamente à ausência da prestação de informação adequada aos investidores em algumas situações e também relativamente à venda de produtos que não correspondem ao perfil do investidor.

 

Nesse sentido, o regulador vai continuar a prestar uma "atenção específica a esta matéria que constitui um desafio muito grande à estabilidade do sistema", explicou.

 

Gabriela Figueiredo Dias manifestou ainda a sua preocupação quanto à "alavancagem excessiva das empresas e à dificuldade muito grande na captação de fundos".

 

A sucessora de Carlos Tavares destacou ainda que para conseguir responder a estas questões é necessária "a capacitação da CMVM de recursos e de meios" e terá que haver um "esforço e racionalização dos recursos da CMVM".

 

A este respeito, a responsável assumiu que os "recursos e financiamento da CMVM são um problema" e são "absolutamente críticos para assegurar a independência e o trabalho da CMVM". "Os últimos anos têm sido críticos", referiu.

 

No final da audição, Gabriela Figueiredo Dias congratulou-se com o facto de "independentemente da bancada parlamentar, as preocupações dos deputados são sensivelmente as mesmas". 

 

A nomeação como presidente da CMVM é "um passo em frente relativamente a um projecto de longo prazo", ressalvou ainda Gabriela Figueiredo Dias que recordou que iniciou funções no regulador há nove anos.

 

Depois desta audição, a COFMA terá que elaborar um relatório que será depois remetido ao Governo. O Executivo vai depois proceder à nomeação de Gabriela Figueiredo Dias em Conselho de Ministros. 




A sua opinião13
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado bicho Há 2 semanas

A 1ª coisa que V. Exª. deve fazer é sanear o Dr. Namorado Rosa (Director da Supervisão da CMVM).
O Dr. António Gageiro deve também ser saneado, assim como o Dr. Luís Catarino.
Estes eu conheço-os e infelizmente foram para altos cargos da CMVM para abafar os crimes das gigantescas Burlas do Millennium BCP e silenciar e prejudicar os lesados. Tudo isto do conhecimento do Dr. Carlos Tavares.
Por estas e por outras a Bolsa portuguesa está de rastos e nunca mais se irá levantar enquanto os procedimentos da CMVM, do BdP e do M.P. continuarem no mesmo rumo e com esses srs. dentro dessas instituições.
O melhor seria encerrar e reabrir totalmente remodelados.
Para além do Millennium BCP, não esquecer: BPN, BPP, BES, Banif, CGD, PT, Sonae

comentários mais recentes
Manuel Gazua Há 2 semanas

Há que, há que, vamos ver como.

Manuel G. Marques Há 2 semanas

Agora já nem com Rebucados....

Nuno Alves Há 2 semanas

Eles andam é a fugir, ninguém vai investir neste antro de malucos!

zé dos Bois Há 2 semanas

pode começar pelo BPI e pedir a avaliadores externos o justo valor da OPA

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub