Obrigações Galp financia-se em 500 milhões a taxa de juro de 1%

Galp financia-se em 500 milhões a taxa de juro de 1%

A petrolífera nacional comunicou ao regulador dos mercados ter concluído uma emissão de dívida com maturidade a seis anos num valor de 500 milhões de euros. O juro final da emissão fixou-se em 1,0%.
Galp financia-se em 500 milhões a taxa de juro de 1%

Em comunicado enviado ao final da tarde desta quarta-feira à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Galp Energia informa ter hoje realizado uma emissão de dívida no valor de 500 milhões de euros e com maturidade em 2023. A taxa de juro da emissão foi de 1,0%.

A petrolífera acrescenta esperar que os títulos de dívida colocados sejam depois admitidos a negociação na bolsa londrina (London Stock Exchange).

Na informação prestada ao regulador, a Galp nota que a operação foi assessorada pelo BNP Paribas, pelo CaixaBI, pelo Deutsche Bank, pelo Société Générale e o pelo UniCredit.

De acordo com dados da agência Bloomberg, as ordens de compra superaram os 1.650 milhões de euros, ultrapassando em mais de três vezes a meta definida para o valor de emissão.

Apesar de os valores indicativos após o "spread" final dos títulos ter sido fechado apontar para uma taxa de juro final acima de 1%, a cotada acabou por se financiar pagando como contrapartida uma taxa de apenas 1,0%. 

  

A empresa liderada por Carlos Gomes da Silva foi pela última vez ao mercado de dívida em Setembro do ano passado, quando colocou 600 milhões de euros em obrigações a sete anos.

 

A emissão desta quarta-feira surge no mesmo dia em que o IGCP vai realizar uma emissão de obrigações do Tesouro a 10 anos e no dia seguinte aos juros da dívida pública portuguesa terem fixado um mínimo de mais de dois anos abaixo dos 2%.

 

 

 



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Nonagésimo Há 1 semana

Quando se prefere investir na compra de dinheiro a 1% ao inves de se apostar no capital humano e produtivo ve se que o sistema Capitalista já está a dar as ultimas

pub