Bolsa Galp, Mota-Engil e BCP atiram bolsa nacional para o vermelho

Galp, Mota-Engil e BCP atiram bolsa nacional para o vermelho

A bolsa lisboeta fechou em terreno negativo numa sessão em que a Galp Energia penalizou ao negociar sem direito a dividendo. Na Europa o sentimento também é negativo, com o sector petrolífero a pressionar.
Galp, Mota-Engil e BCP atiram bolsa nacional para o vermelho
Miguel Baltazar/Negócios
David Santiago 26 de maio de 2017 às 16:40

O PSI-20 encerrou a sessão desta sexta-feira, 26 de Maio, a perder 0,35% para 5.226,58 pontos, com 13 cotadas em queda e as restantes seis em alta, num dia em que também na Europa a generalidade das principais praças do Velho Continente transaccionou em terreno negativo.

 

No resto da Europa, foi o sector petrolífero, e também a banca, que mais pressionaram, isto numa altura em que há uma grande incerteza em torno do petróleo, já que a decisão da OPEP de prolongar por nove meses os cortes à produção petrolífera não parece ter sido suficiente para reforçar a convicção numa subida dos preços da matéria-prima.

 

No plano nacional foi a Galp Energia que mais penalizou. A empresa liderada por Carlos Gomes da Silva desvalorizou 2,05% para 13,855 euros, numa sessão em que os títulos da petrolífera negociaram sem conferir direito ao dividendo de 24,8832 cêntimos por acção. A empresa começa a remunerar os respectivos accionistas a partir do próximo dia 30 de Maio.

Continuando no sector energético, a EDP Renováveis recuou 0,17% para 6,96 euros, enquanto a EDP somou 0,19% para 3,195 euros (num dia em que o Haitong antecipou más notícias para a empresa liderada por António Mexia) e a REN ganhou 0,64% para 2,984 euros, num dia em que a cotada liderada por Rodrigo Costa transaccionou em máximos de Abril de 2010 ao tocar nos 2,991 euros por acção. 

Também a penalizar esteve o BCP, que recuou 1,09% para 0,2277 euros, e a Mota-Engil, que resvalou 1,51% para 2,677 euros. 

Nota negativa ainda para a Semapa que deslizou 0,52% para 16,33 euros num dia em que a holding detida por Pedro Queiroz Pereira estabeleceu um novo máximo de sempre ao tocar nos 16,55 euros. 

Ainda no vermelho negociaram os CTT, que perderam 0,51% para 5,303 euros, e a Pharol, que desvalorizou 1,85% para 0,265 euros.

Em sentido inverso e a travar maiores perdas da bolsa nacional esteve a Nos, que ganhou 1,08% para 5,425 euros, e a Jerónimo Martins, que somou 0,46% para 17,375 euros. 

(Notícia actualizada às 16:48)




A sua opinião25
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Descoberto 26.05.2017

Por quanto tempo se pode manter uma posição a descoberto?
Alguém informa?

comentários mais recentes
Anónimo 27.05.2017

Não tenho ouvido falar do activbank pertencente ao bcp
Julgo que tem potencial para expansão e mesmo para exportação
Alguém tem informação sobre situação deste negócio?

Artista 27.05.2017

Penso que não há limite de tempo pelo qual o especulador possa manter-se "vendido", desde que haja liquidez para tal (locadores dispostos a emprestar o ativo).

Anónimo 26.05.2017

Dia 18 de Agosto é quando ele faz anos

Re:BCP 26.05.2017

É apenas a ansiedade que as ações do BCP recuperem o valor de 1€!
Já ficaria muito satisfeito se atingissem 0,281€!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub