Mercados Gasolina desce quase 10% desde o recorde

Gasolina desce quase 10% desde o recorde

A queda das cotações do petróleo está a começar a fazer-se sentir no valor dos produtos destilados. Gasolina e gasóleo têm vindo a perder valor, com a primeira a afundar já quase 10% face ao valor recorde atingido no início do mês nos mercados. E pode continuar a descer, também nos postos de abastecimento, dadas as previsões de queda da matéria-prima de base.
Paulo Moutinho 26 de Abril de 2012 às 00:01
A queda das cotações do petróleo está a começar a fazer-se sentir no valor dos produtos destilados. Gasolina e gasóleo têm vindo a perder valor, com a primeira a afundar já quase 10% face ao valor recorde atingido no início do mês nos mercados. E pode continuar a descer, também nos postos de abastecimento, dadas as previsões de queda da matéria-prima de base.

Depois de atingir o valor mais elevado de sempre, o preço da tonelada métrica da gasolina inverteu. Chegou aos 1.219 dólares, o equivalente a 923,42 euros, nos primeiros dias de Abril, mas desde então tem mantido uma tendência negativa que se traduz já numa descida de 9,4%, de acordo com dados compilados pela Bloomberg. O gasóleo, por seu lado, recua pouco mais de 5%.

O que conta para a descida dos preços dos combustíveis nos postos de abastecimento são as cotações médias semanais. Considerando estes valores, que são os usados pelas gasolineiras, assiste-se a uma quebra de 4,6% na gasolina e de 2,1% no gasóleo. Descidas que se têm verificado nos valores de venda ao público em Portugal.

Os preços dos combustíveis voltaram a recuar nos primeiros dias desta semana. De acordo com os dados da DGEG, o preço de venda do gasóleo está agora nos 1,499 euros, enquanto o litro da gasolina, que chegou a custar 1,80 euros há duas semanas, está agora 3% mais barato. Na Galp Energia, a gasolina sem chumbo de 95 octanas apresenta um preço de venda de 1,744 euros.

A descida é um reflexo da correcção das cotações dos preços dos combustíveis nos mercados internacionais, que têm seguido o comportamento do custo do barril de petróleo de referência para a Europa. O Brent, transaccionado em Londres, acumula uma descida de mais de 6% no último mês, que ascende a 7% quando considerada a cotação na moeda europeia, que tem apresentado uma subida ligeira.

"As cotações do Brent têm vindo a recuar dos máximos recentes. Apesar da menor produção de petróleo no Mar do Norte, assistimos a um aliviar das tensões nos preços da matéria-prima", diz Cory Garcia, analista de produtos refinados da Raymond James, ao Negócios. "O panorama é agora de menor pressão", acrescenta, sublinhando o facto da procura na Europa estar a abrandar

"Além disto, os receios de interrupção de fornecimentos de petróleo por parte do Irão aliviaram, nomeadamente depois do arranque das negociações entre aquele país e o Conselho de Segurança da ONU", refere o mesmo especialista. O governo iraniano anunciou ontem estar a analisar uma proposta de Moscovo para o país suspender o programa nuclear e evitar as sanções da União Europeia.

Cory Garcia aponta para que "as cotações do petróleo se mantenham perto dos níveis actuais até ao final do ano. Olhando para 2013, acredito que os preços recuem, baixando a fasquia dos 100 dólares". Nesta base, "os preços da gasolina e do gasóleo podem ser inferiores no próximo ano", remata.

As ameaças do Irão, de interrupção dos fornecimentos de petróleo, levaram o Brent a máximos de 2008, nos 128 dólares. Apesar das negociações com a ONU, o Barclays lembra que pode registar-se um pico nos preços no terceiro trimestre, na sequência do embargo decretado pelos EUA e a UE.

Para que em vez de cair, o preço do barril suba este ano e no próximo, basta que as temperaturas deste Verão sejam elevadas, diz o Barclays. Se isso acontecer, "há uma forte probabilidade da Arábia Saudita tornar-se num importador líquido de petróleo em vez de exportar, em média, 775 toneladas por mês", referem os analistas Miswin Mahesh e Amrita Sen.





A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
asCetag1gyk5 Há 3 semanas

http://lasix-medication.us/ - lasix mg http://retin-a-buy.top/ - retin-a http://price-of-levitra.us/ - price of levitra http://retin-a-cream.trade/ - retin-a http://inderal2016.us/ - inderal online http://kamagra-online.xyz/ - kamagra online

asCeta2ue2yr 10.11.2016

http://buy-advair.us/ - advair http://genericforlipitor.link/ - lipitor http://kamagra-oral-jelly.science/ - kamagra oral jelly http://provera-10mg.us/ - provera http://levitra-20-mg.science/ - levitra 20 mg price http://generic-propecia.gdn/ - propecia

Anónimo 26.04.2012

Meu Caro jornalista.
Nota-se que não é utilizador de viatura própria o que até é de elogiar. Contudo, perante esse facto não seria de se abster de escrever estas notícias.
Se sobesse do assunto, ou estivesse informado, notaria que o preço do Gasoleo na passada semana era de 1,499 Eur, e que esta semana é de 1,499. Ou seja, não houve nenhuma alteração pelo que não é verdade que "os preços dos combustíveis voltaram a recuar nos primeiros dias desta semana".
Que raio de jornalistas temos nós !!!

Carlos Silva 26.04.2012

Pois é, e até podem baixar mais, que eu já me habituei à bicicleta! :)

ver mais comentários
pub