Mercados George Soros: "Se tivesse de investir seria contra o euro"

George Soros: "Se tivesse de investir seria contra o euro"

O investidor e filantropo multimilionário norte-americano George Soros afirmou hoje que, "se tivesse de investir, apostaria contra o euro", considerando que, mesmo que a moeda única europeia sobreviva à crise, a Europa enfrenta um período de grandes dificuldades".
Lusa 19 de abril de 2012 às 02:09
O investidor e filantropo multimilionário norte-americano George Soros afirmou hoje que, "se tivesse de investir, apostaria contra o euro", considerando que, mesmo que a moeda única europeia sobreviva à crise, a Europa enfrenta um período de grandes dificuldades".

Em entrevista ao diário francês 'Le Monde', Soros garante que hoje "a crise do euro ameaça destruir a União Europeia" e defende que "os dirigentes do Velho Continente estão a levar a Europa à ruína", uma ideia que está em linha com o exposto no seu último livro, "O caos financeiro mundial".

George Soros, que fez parte da sua fortuna depois da queda da libra esterlina em 1992, ao apostar contra a divisa britânica cerca de 10.000 milhões de dólares, disse que "se tivesse de investir" agora, a aposta seria contra o euro.

Para o financeiro, "a introdução do euro, em vez de criar convergência, trouxe divergências". Soros pensa que os países mais débeis da zona euro estão na mesma situação "dos países de terceiro mundo" que contraíram empréstimos em divisas estrangeiras.

O norte-americano de origem húngara considera que, ainda que o euro resista a esta crise, a Europa tem diante de si um período difícil, "semelhante ao que ocorreu na América Latina depois da crise de 1982 e ao Japão, estagnado há 25 anos".

No entanto, a diferença do caso europeu face a estes, sublinha, é que "a União Europeia não é um país", e por isso Soros receia que não sobreviva à actual crise, acrescentando que os dirigentes europeus se deram conta dos tumultos económicos e financeiros "demasiado tarde".

Para o multimilionário, apesar de o Banco Central Europeu (BCE) "ter inventado medidas fora do normal, como os empréstimos a três anos aos bancos", o contra-ataque do Bundesbank, a entidade emissora alemã, "rompeu esse efeito".

"Toda a Europa está guiada pela ortodoxia do Bundesbank", diz Soros ao jornal francês, adiantando que o banco central alemão "está a empurrar a Europa para a deflação" porque, explica, "é impossível reduzir a dívida, afundando o crescimento".

A poucos dias do arranque da primeira volta para as eleições presidenciais francesas, cuja primeira e segunda rondas decorrem este domingo e a 06 de maio, respectivamente, George Soros entende que, caso seja eleito, o socialista François Hollande "terá muitas dificuldades em afastar-se da linha alemã".

"Questionar a ortodoxia financeira poderia expor o país a um ataque dos mercados", conclui o norte-americano, acrescentando que Paris se encontra numa "situação precária".


A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Paulo Brandão Há 1 semana

As palavras mais importantes ditas por este senhor, foram as seguintes: o banco central alemão "está a empurrar a Europa para a deflação" porque, explica, "é impossível reduzir a dívida, afundando o crescimento".
Sem investimento, produção e construção não se criam postos de trabalho, e numa Europa com a população sem dinheiro não é possivel haver compradores/investidores. O DINHEIRO NECESSITA DE CIRCULAR E NÃO FICAR PARADO.

GekkoTheGreat Há 1 semana

... comprou dívida italiana 10 anos quando estava a 7%. He's talking his book.

salvador costa Há 1 semana

1- A Europa vai ter uma década de extremas dificuldades. A resposta lenta à crise do Lehman Brothers pelo BCE e a atual política de austeridade imposta pela Alemanha, vão atrasar fortemente os indicadores de recuperação da Zona Euro.2- A Alemanha, por outro lado, não interessa o federalismo europeu para não ter de compartilhar os desafios e encargos de crescimento dos países da Europa do Sul. Como acontece, por exemplo, nos EUA ou recentemente com o governo central de Espanha em relação às regiões autónomas.3- Impõe a sua doutrina, mas não avança para uma integração efetiva.4- E este impasse, vai afetar muito a Zona Eura nos próximos anos.

epico Há 1 semana

Soros há apenas uns meses anunciava o fecho do seu fundo Quantum a investidores fora da familia Soros, alegando na altura que no futuro próximo para ganhar dinheiro teria que shortar USD, o que de forma alguma não pretendia. à apenas dois meses atras comprou em liquidação o stock divida soberana Republica Italia ao falido MF Global, e agora vem dizer que para ganhar dinheiro teria que shortar o EURO. Mais uma vez Soros mostra desnorte quanto á sua estratégia, assim não se deixem influenciar pelas suas dicas. Ouçam Jim Rogers, esse tem acertado ao longo desta crise, seja QE vai continuar dos dois lados do Atlantico, as decisões politicas actualmente serão as determinantes.

ver mais comentários
}
pub