Mercados Goldman, Citi e Barclays alertam clientes para possível volatilidade pós-eleições

Goldman, Citi e Barclays alertam clientes para possível volatilidade pós-eleições

Os três bancos de investimento emitiram notas de aviso aos seus clientes institucionais a alertar para a potencial volatilidade no mercado cambial no período posterior às eleições nos Estados Unidos, que decorrem esta terça-feira.
Goldman, Citi e Barclays alertam clientes para possível volatilidade pós-eleições
Bloomberg
Paulo Zacarias Gomes 08 de Novembro de 2016 às 17:53

O Goldman Sachs, o Citi Bank e o Barclays alertaram esta terça-feira, 8 de Novembro, os seus clientes institucionais para o risco de volatilidade no mercado cambial nos dias que se seguem às eleições nos Estados Unidos.

O alerta foi enviado no dia em que decorre o voto presencial dos norte-americanos para decidir o Presidente para os próximos quatro anos, uma corrida que está a ser disputada entre a candidata democrata Hillary Clinton e o republicano Donald Trump.

As instituições prevêem que o dólar caia até 5% contra o iene (divisa de refúgio em circunstâncias de maior aversão ao risco) caso seja Trump o vencedor e que a nota verde reforce o seu valor entre 1% e 2% em caso de vitória de Hillary Clinton.

O dólar e a divisa mexicana (mais sensível desde que Trump anunciou a intenção de construir um muro entre os EUA e aquele país) estão a merecer atenção especial. Um cliente do Goldman Sachs disse à Reuters que o banco avisou os clientes na segunda-feira de que não aceitará novas stop loss orders (ordens de venda de activos quando o preço destes atinge um valor pré-determinado) sobre o peso mexicano até anúncio em contrário.

A agência noticiosa cita o responsável de "trading" de um investidor estabelecido em Londres, cliente do Barclays e do Citi, que refere que ambos fizeram avisos aos investidores, semelhantes aos emitidos desde que, em Janeiro do ano passado, o franco suíço registou uma forte queda em relação às suas pares.

Na semana passada os mercados accionistas registaram várias sessões consecutivas de perdas perante a incerteza nos resultados nas eleições da maior economia do mundo, com as sondagens a darem ambos os candidatos muito próximos em termos de intenções de voto e pelo menos um dos inquéritos a dar vantagem a Donald Trump.

Esta segunda-feira, os últimos estudos de opinião divulgados davam uma vantagem de entre três a quatro pontos à candidata Hillary Clinton.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub