Matérias-Primas Governo faz estudo para saber potencial do lítio português

Governo faz estudo para saber potencial do lítio português

O Governo criou um grupo de trabalho para estudar as potencialidades do lítio em Portugal e se pode ser produzido lítio metal. A pensar nas baterias para os carros eléctricos.
Governo faz estudo para saber potencial do lítio português
Alexandra Machado 01 de Dezembro de 2016 às 15:31

Identificar e caracterizar a existência de depósitos de lítio em Portugal e potenciais actividades económicas associadas ao seu aproveitamento levaram o Governo a criar um grupo de trabalho para este minério.

Em comunicado, o gabinete do secretário de Estado da Energia, Jorge Seguro Sanches, autor do despacho que cria o grupo de trabalho, aponta para uma data até 31 de Março do próximo ano a apresentação das conclusões deste grupo de trabalho.

O grupo é constituído num momento em que a australiana Dakota anunciou uma descoberta de grandes dimensões de lítio no Norte do país, tendo já assumido pretender começar a produção em dois anos, prazo que, como disse, "coincide com a abertura planeada de várias fábricas de baterias de ião-lítio na Europa e a conclusão da expansão de capacidade nas actuais fábricas". Não faz a referência directa à Tesla, mas esta construtora anunciou planos para instalar uma gigafábrica europeia de automóveis e baterias de iões de lítio.

O Governo de António Costa revelou que já se sentou à mesa com o fabricante norte-americano liderado por Elon Musk.

Agora, é a secretaria de estado da Energia a dar "gás" a este minério, dizendo que "a relevância dos minerais de lítio existente em Portugal é demonstrada pelo interesse crescente registado pelas empresas mineiras".

O estudo será coordenado pela subdirectora geral da Direcção-Geral de Energia e Geologia, Cristina Vieira Lourenço, estando representados o Laboratório Nacional de Energia e Geologia, a EDM – Empresa de Desenvolvimento Mineiro, a Associação Nacional da Indústria Extractiva e Transformadora e a Associação Portuguesa dos Industriais de Mármores e Granitos.

"O grupo de trabalho visa ainda avaliar a possibilidade de produção de lítio metal", concretiza o governo, explicando que os minerais de lítio extraídos em Portugal se destinam em exclusivo à indústria cerâmica, sendo utilizados como fundentes (para fundir) e baixar a factura energética.




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 dias


PS - PCP - BE - e seus apoiantes - ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


400 milhões de Euros para aumentar as pensões baixas, são migalhas em comparação com...

os mais de 4600 milhões de euros que o Estado vai injetar, em 2017 (e injeta todos anos) através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) para assegurar o financiamento do buraco anual das pensões dos FP-CGA.

comentários mais recentes
Peñascoso Há 3 dias

Devem estar enganados.
Descobriram lírios convencidos ser lítio.

Anónimo Há 3 dias

Este palhaço fascista que passa a vida a escrever a mesma coisa não tem mais nada que fazer ?

Anónimo Há 3 dias


PS - e seus apoiantes - ROUBAM A VIDA A 500.000 TRABALHADORES

EMIGRAÇÃO FORÇADA

Os Portugueses foram obrigados a emigrar devido à bancarrota do Socrates! …

e ao brutal aumento de impostos, ordenado pelo TC, para sustentar os privilégios da FP e CGA.

(claro que os xux.as e FP tentam esconder esta realidade)

Anónimo Há 3 dias


PS - PCP - BE - e seus apoiantes - ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


400 milhões de Euros para aumentar as pensões baixas, são migalhas em comparação com...

os mais de 4600 milhões de euros que o Estado vai injetar, em 2017 (e injeta todos anos) através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) para assegurar o financiamento do buraco anual das pensões dos FP-CGA.

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub