Obrigações Governo prevê financiar-se em 1.750 milhões no retalho

Governo prevê financiar-se em 1.750 milhões no retalho

O Estado prevê emitir 1.000 milhões de euros em certificados e 750 milhões em OTRV, em 2018.
Governo prevê financiar-se em 1.750 milhões no retalho
Bruno Simão/Negócios
Patrícia Abreu 14 de outubro de 2017 às 00:16

O Executivo liderado por António Costa espera colocar 1.750 milhões de euros em instrumentos de dívida destinada aos particulares, segundo as previsões na proposta de Orçamento do Estado para 2018. 

De acordo com a informação divulgada no documento, os certificados do tesouro poupança mais (CTPM) deverão registar subscrições líquidas de 750 milhões de euros, um valor idêntico ao que o Governo espera arrecadar com a emissão de Obrigações do Tesouro de Rendimento Variável (OTRV). Já os certificados de aforro deverão contribuir com mais 250 milhões de euros.

O retalho deverá assim contribuir com 1.750 milhões de euros para o financiamento líquido do Estado em 2018, um valor que está abaixo do montante obtido em financiamento com produtos para o retalho, este ano. Apenas em CA e CTPM o Estado prevê financiar-se, em 2017, em 2.500 milhões de euros, um valor ao qual acrescem os 2.200 milhões de euros já levantados com as duas emissões de OTRV lançadas este ano.

Esta é a primeira vez que o Governo inclui as obrigações para o retalho na tabela de instrumentos de financiamento do Estado, isto depois da presidente do IGCP, Cristina Casalinho, ter adiantado este ano ao Negócios que quer tornar as OTRV uma fonte regular de financiamento.

"Este instrumento tem tido muito boa aceitação por parte dos investidores e pretendemos que passe a ser uma fonte regular de financiamento em complementaridade com os restantes títulos como OT ou CA e CTPM, sendo os primeiros orientados para investidores institucionais e os segundos para o retalho", adiantou Cristina Casalinho.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Oxalá q não se consigam financiar! Macacos! Há 1 semana

O PS tem ódio visceral aos aforradores! Então as esganiçadas nem se fala, querem ir buscar (roubar) dinheiro aonde se acumule! Com Costa Pina, Secretário do Tesouro no tempo do corrupto Sócrates acabou com os certificados de aforro série B e criou a C q não valia nada! A esquerdalha só quer fuuder!

General Ciresp Há 6 dias

Silencioasa/ caminhamos para a situacao triste q a Grecia viveu.Quando a EU teve de emprestar miles milhoes de euros a Grecia para poderem pagar juros vencidos.Quando ca a casalinho nao conseguir trazer do mercado dinheiro suficiente para cobrir obrigacoes,vai ser o diabo,acontece sempre a direita.

pub