Bolsa Grupo EDP e Jerónimo Martins pressionam bolsa

Grupo EDP e Jerónimo Martins pressionam bolsa

A sessão foi negativa nas praças europeias depois de várias cotadas terem apresentado resultados que ficaram aquém do esperado. O BCP recuperou.
Grupo EDP e Jerónimo Martins pressionam bolsa
Miguel Baltazar/Negócios
Nuno Carregueiro 25 de Outubro de 2016 às 16:47

A bolsa nacional fechou em terreno negativo pela segunda sessão consecutiva, em linha com o comportamento das principais praças europeias, numa sessão em que foram as cotadas do sector energético e a Jerónimo Martins a pressionar o índice.

O PSI-20 caiu 0,63% para 4.710,73 pontos, com três cotadas em alta e quinze em queda. Nas praças europeias o dia foi também de perdas, depois de várias empresas, dos dois lados do Atlântico, terem anunciado resultados abaixo das expectativas.

As farmacêuticas lideraram as perdas nos índices europeus, depois de a Novartis ter anunciado a sétima queda consecutiva nos lucros trimestrais. A Roche também fechou em terreno negativo e a Novo Nordisk caiu 1,7% depois de a congénere norte-americana Eli Lilly também ter anunciado resultados abaixo do esperado.

 

Nos estados Unidos, apesar de a Procter & Gamble ter anunciado resultados acima do esperado, a 3M está a arrastar os índices de acções. A Whirlpool regista a maior queda em cinco anos depois de ter cortado estimativas.

 

Em Lisboa a Jerónimo Martins destacou-se pela negativa, com uma queda de 1,12% para 15,94 euros, na quarta sessão consecutiva em terreno negativo (os resultados do trimestre foram anunciados no fecho da sessão de sexta-feira).

 

O Grupo EDP também foi determinante para o fecho negativo do PSI-20. A empresa de energias renováveis caiu 1,95% para 6,975 euros e a EDP cedeu 0,63% para 3,009 euros. A Galp Energia subiu 0,43% para 12,75 euros.

 

As cotadas do sector energético evoluíram em queda na Europa numa sessão em que o petróleo está a descer pelo segundo dia.

 

O BCP voltou a estar em destaque na praça portuguesa, na segunda sessão de fusão das acções. Os títulos fecharam o dia a cair 0,12% para 1,2034 euros, recuperando de uma queda que chegou a superar os 8% a meio da sessão.

 

Ainda na banca, o BPI desceu 0,09% para 1,129 euros, na véspera da apresentação dos resultados do terceiro trimestre.

Os analistas do departamento de "research" da Caixa Geral de Depósitos antecipam que o banco liderado por Fernando Ulrich terá fechado o terceiro trimestre com um resultado líquido consolidado de 58,5 milhões de euros - uma quebra de 2,9% face aos lucros de 60,2 milhões registados nos três meses anteriores e de 21,9% em relação aos resultados do trimestre homólogo.

O Montepio recuou 0,9% para 44 cêntimos, um novo mínimo histórico.

 

Nos, Sonae e Galp Energia foram as únicas cotadas a fechar com sinal positivo.

 

(notícia actualizada às 16:57)




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub