Research Haitong: EDP não deverá ser forçada a devolver ganhos passados

Haitong: EDP não deverá ser forçada a devolver ganhos passados

As acções da EDP descem mais de 1,5%, penalizadas pela notícia de que a eléctrica poderá ter de devolver cerca de 500 milhões de euros ao Governo.
Haitong: EDP não deverá ser forçada a devolver ganhos passados
Bruno Simão/Negócios
Rita Faria 12 de junho de 2017 às 10:10

As acções da EDP estão a deslizar 1,59% para 3,219 euros, depois de terem chegado a desvalorizar 2,26% para 3,197 euros, em reacção à notícia avançada pelo Expresso de que o Governo pretende recuperar cerca de 500 milhões de euros que terão sido pagos a mais à eléctrica durante dez anos.

Numa nota de análise divulgada esta segunda-feira, 12 de Junho, o Haitong refere que a notícia é "negativa" para a eléctrica na medida em que o ruído em torno da questão dos Custos para Manutenção do Equilíbrio Contratual (CMEC) continua.

Ainda assim, o cenário base do banco investimento é que a EDP "não deverá ser forçada a devolver os ganhos passados".

No entanto, "uma vez que a EDP ainda tem de negociar o valor final da compensação dos CMEC com a ERSE (e o Estado português), pode haver o risco de o valor final a ser recebido pela EDP ser inferior", pelo que o Haitong vai continuar a acompanhar a questão de perto, como destaca a nota de research assinada por Jorge Guimarães.

Este fim-de-semana, o Expresso avançou que o Governo está à espera de um relatório da ERSE, para encontrar o valor considerado pago como "rendas excessivas".

Segundo a mesma publicação, o trabalho da ERSE deverá estar concluído no Verão, altura em que o Ministério da Economia decidirá os valores a exigir e definirá os preços da electricidade para 2018. 

Recorde-se que António Costa teceu duras críticas, na semana passada, ao sector eléctrico por causa das chamadas rendas excessivas. E que há uma investigação a decorrer que já levou à constituição de quatro arguidos: António Mexia, presidente da EDP, João Manso Neto, actual presidente da EDP Renováveis, Pedro Furtado e João Conceição, da REN.

 

O Haitong atribui um preço-alvo de 3,55 euros à eléctrica nacional, o que traduz um potencial de valorização de 10,2% face à cotação actual. As acções da EDP ganham 11,33% desde o início do ano.  




A sua opinião15
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado SÍTIO MUITO MANHOSO 12.06.2017


... devolver ganhos ?

Não ... devolver ROUBOS e com juros !

comentários mais recentes
Anónimo 12.06.2017

OUTRA COLISA NÃO É DE ESPERAR!
O ESPERTALHÃO DO MEXIA E O "PINTELHÁSIMO" DO CATROGA SABEM COMO MOVIMENTAR~SE.
ALÉ DISSO QUEM PAGA É O ZÉ E O ZÉ JÁ SE HABITUOU A PAGAR!

nin 12.06.2017

O Haitong, tal como a EDP, é chinês. Não é que não se deva pronunciar, só que desconfio muito das análises dum banco chinês a uma empresa chinesa.

SÍTIO MUITO MANHOSO 12.06.2017


... devolver ganhos ?

Não ... devolver ROUBOS e com juros !

Anónimo 12.06.2017

Ola Haitong. A confiança foi se. A marca EDP desvalorizou brutalmente nestes ultimos dias. Só não faz as contas quem não quer. A incerteza regulatoria aumentou e de que maneira. Estado não vai pedir pelos anos passados porquê? E o futuro? Com o Mexia ao leme, não se vira a pagina. Deve demitir-se.

ver mais comentários
pub