Mercados HSBC admite transferir 1.000 funcionários para Paris em caso de um "Brexit"

HSBC admite transferir 1.000 funcionários para Paris em caso de um "Brexit"

O líder do HSBC admite retirar 1.000 postos de trabalho de Londres, caso se confirme um Brexit, juntando-se a outros executivos que têm alertado para o impacto negativo desta decisão para a City.
HSBC admite transferir 1.000 funcionários para Paris em caso de um "Brexit"
Patrícia Abreu 15 de fevereiro de 2016 às 11:57

O HSBC admite que que poderá transferir 1.000 especialistas da banca de investimento para Paris, caso o Reino Unido decida abandonar a União Europeia, adiantou o CEO da instituição, Stuart Gulliver.


Num momento em que os receios de um "Brexit" aumentam, o HSBC deu pormenores de um dos planos de contingência mais detalhados do sector financeiro. O banco britânico, que decidiu manter a sua sede em Londres, refere que caso o Reino Unido saia da EU poderá transferir parte da sua unidade de mercados e banca global constituída por 5.000 funcionários para Paris, disse o CEO do HSBC em entrevista telefónica à Bloomberg.


Stuart Gulliver acredita que caso os britânicos votem a favor da saída da União Europeia, isto terá um "impacto significativo" na divisão de banca de investimento, ainda que não vá afectar o consumo do negócio.


A divulgação deste plano de contingência vem de encontro ao alerta que vários executivos da banca já deixaram, avisando que um "Brexit" levará as empresas a cortarem o investimento no Reino Unido e promoverá uma mudança de postos de trabalho para outros locais.


"É do interesse económico da Grã-Bretanha permanecer numa União Europeia reformada e esta é uma posição formal", defendeu o líder do HSBC à Bloomberg.


O "chairman" do Barclays John McFarlene adiantou recentemente que uma decisão favorável à saída da União Europeia deixaria o centro financeiro de Londres numa posição "significativamente pior".


Já as acções britânicas poderão cair 15% caso se concretize um "Brexit", com as empresas focadas na economia doméstica a recuarem até 26%, antecipam os analistas do Deutsche Bank numa nota divulgada na última sexta-feira, 12 de Fevereiro.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Roger Russo 15.02.2016

Se Portugal ameaçasse com algo semelhante o HSBC e similares provavelmente até pagaria para que isso acontecesse. Visões muito díspares...

comentários mais recentes
eduardo santos 15.02.2016

Contra os bretoões marchar, marchar--esta gente so gosta de estar onde ficam no comando, conheço-os m bem

pertinaz 15.02.2016

BREXIT NUNCA ACONTECERÁ


Anónimo 15.02.2016

"Vem de encontro" significa que está contra. Neste caso a expressão correcta será "vem ao encontro de".

Pode ter sido só um lapso neste caso, mas vejo muitos jornalistas a cometer o mesmo erro.

Por favor mais atenção a este detalhes.

Roger Russo 15.02.2016

Se Portugal ameaçasse com algo semelhante o HSBC e similares provavelmente até pagaria para que isso acontecesse. Visões muito díspares...

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub