Mercados HSBC alerta para risco de "queda severa" da bolsa norte-americana

HSBC alerta para risco de "queda severa" da bolsa norte-americana

A bolsa de valores norte-americana arrisca quedas consideráveis. Quem o afirma é Murray Gunn, analista técnico do banco HSBC, na sequência do declínio das acções na passada terça-feira.
HSBC alerta para risco de "queda severa" da bolsa norte-americana
Reuters
Negócios 13 de Outubro de 2016 às 13:14

O banco HSBC emitiu um alerta em relação à possível evolução do mercado de acções norte-americano, depois de Wall Street ter encerrado a sessão desta terça-feira a vender de forma "agressiva".

"A possibilidade de uma queda severa no mercado de acções é agora muito alta", antevê Murray Gunn, analista técnico do banco HSBC. O especialista afirma ainda que desde o final do Verão, a bolsa tem vindo a registar uma crescente volatilidade e uma venda de acções a baixo custo não apenas em grupos específicos, mas em várias áreas do mercado.


Outro factor a juntar é, de acordo com Gunn, a intensidade da pressão das vendas, medida através do Traders Index. Quanto mais alto os valores deste índice, maior a pressão no mercado. De acordo com a Bloomberg, estes valores têm vindo a sofrer várias oscilações acima dos 2.100 pontos desde o início de Julho.


A equipa de Gunn tem vindo a analisar o desempenho no Dow Jones e do S&P 500, apontando para valores abaixo do 17.992 pontos e 2.116 pontos como podendo desencadear um cenário preocupante para o mercado norte-americano, revela Murray Gunn. Na terça-feira 


"Consideramos que os mercados estão bastante vulneráveis", afirma Bem Laidler em entrevista à Bloomberg TV. O analista de acções globais da HSBC reconhece que o mercado de acções está exposto a uma "combinação perigosa" de factores de risco que estão a passar despercebidos aos investidores, entre os quais as altas expectativas de proveitos empresariais, incerteza económico-política, e a aproximação das eleições norte-americanas e o referendo em Itália, aponta Laidler.

A HSBC não é a primeira entidade prever um cenário de queda severa. Steven Englander, da Citigroup Inc., revelou que os investidores não estão a ter em conta os riscos da corrida à Casa Branca. Em Setembro a UBS AG alertou para uma subida no S&P 500, seguido de uma liquidação no mercado de títulos que empurrou os títulos do Tesouro Americano a 10 anos para valores acima dos 1,7%.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Ontem este pasquim publicou uma noticia com o mesmo teor e hoje volta novamente à carga.
Como eu aqui ja disse por diversas vezes, a vocação deste jornaleco é criar instabilidade e alarido nos mercados.
Se ontem publicaram esta noticia, qual a necessidade de repeti-la hoje?
Alguem que responda!

pub