Obrigações IGCP avança com primeiro leilão de dívida de longo prazo de 2018

IGCP avança com primeiro leilão de dívida de longo prazo de 2018

O Tesouro vai reforçar a linha que lançou em Janeiro com títulos a 10 anos.
IGCP avança com primeiro leilão de dívida de longo prazo de 2018
Bruno Simão
Nuno Carregueiro 09 de fevereiro de 2018 às 13:21

O IGCP agendou para a próxima quarta-feira, 14 de Fevereiro, um duplo leilão de dívida de longo prazo, que será o primeiro de 2018.

 

O instituto liderado por Cristina Casalinho refere numa nota enviada à imprensa que "vai realizar no próximo dia 14 de Fevereiro pelas 10:30 horas dois leilões das OT com maturidade em 17 de Outubro de 2022 e 17 de Outubro de 2028, com um montante indicativo global entre 1.000 milhões e 1.250 milhões de euros".

 

Este duplo leilão de dívida com maturidade de cinco e dez anos será o primeiro de 2018, depois de em Janeiro o IGCP ter realizado uma emissão sindicada de dívida onde colocou 4 mil milhões de euros em títulos com maturidade em Outubro de 2018.

 

O leilão agendado para quarta-feira será precisamente a reabertura desta linha, que o IGCP lançou em Janeiro com o custo de financiamento mais baixo de sempre para emitir dívida a 10 anos. A "yield" dos títulos foi de 2,13%.  

Alem desta emissão sindicada, a 17 de Janeiro o IGCP colocou 1.750 milhões de euros em títulos de dívida de curto prazo.

 

Desde a emissão realizada em Janeiro as condições do mercado sofreram alterações, com os investidores a mostrarem um menor apetite por dívida soberana devido à expectativa de alta da inflação e consequente maior agressividade na política monetária do BCE.

Segundo o programa de financiamento, o Tesouro poderá emitir até 20 mil milhões de euros em Obrigações do Tesouro, pelo que 20% deste valor já está assegurado. 




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Na opinião dos gerigonçalhos a dívida não é para ser paga,por isso é pedir até que nos ponham fora da UE ,que sempre foi o seu objetivo principal, e nunca o esconderam. SÓ NÃO VÊ QUEM NÃO QUER.

General Ciresp Há 1 semana

Oh Nuno queira fazer o favor de nossa proxima vez explicar-se melhor:ele e a primeira vez este mes,porque com este vao ser ja 3 tres e o ano ainda ontem comecou.Esteve ontem um BURRO da Moodys a tentar dentar terra para os olhos dos famintos,a continuar assim devemos seguir o caminho de Espanha,RUA.

Esta rapariga.... Há 1 semana

...é ninfomaníaca da dívida! Não pára!

Anónimo Há 1 semana

Não percebo nem nunca vou perceber... Para quê pedir se o país está ótimo, como se diz... Quando alguém tem dinheiro, para quê que vai a banca pedir?? porquê que já não há quem compre uma casa a dinheiro? nem se quer um carro...