Obrigações IGCP: Há investidores à espera de melhor 'rating' para comprar dívida

IGCP: Há investidores à espera de melhor 'rating' para comprar dívida

A presidente da agência que gere a dívida pública, Cristina Casalinho, disse esta sexta-feira no Parlamento que há investidores a posicionarem-se para comprar de futuro obrigações de Portugal, antecipando a saída de 'lixo' do 'rating' da República.
IGCP: Há investidores à espera de melhor 'rating' para comprar dívida
Pedro Elias
Lusa 14 de julho de 2017 às 11:30
"Notamos que alguns investidores acham que a nova possibilidade parece sólida, alguns posicionam-se considerando que [o 'rating'] de Portugal regressará num intervalo aceitável ao grau de investimento", afirmou esta sexta-feira, 14 de Julho, Cristina Casalinho, em audição na Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa (COFMA).

Em causa está a passagem a grau de investimento, saindo do grau especulativo ou 'lixo', da notação financeira da dívida pública portuguesa, isto depois da agência Fitch (uma das três principais agências de 'rating' mundiais) ter em Junho melhorado a perspectiva da dívida para positiva.

Ou seja, a Fitch ainda manteve a nota em 'lixo' ('BB+'), mas passou a perspectiva de 'estável' para 'positiva', o que significa que, na próxima revisão, a agência de notação poderá rever, positivamente, o 'rating' atribuído a Portugal no final do ano, para uma nota do patamar 'BBB', o primeiro nível acima de 'lixo'.

Cristina Casalinho disse hoje que acalenta expectativas também quanto à Moody's e Standard & Poor's, mas disse hoje que o IGCP não quer fazer prognósticos.

Actualmente, só a canadiana DBRS (a quarta maior agência de 'rating') coloca Portugal fora do 'lixo', ainda que estando no nível mais baixo de investimento.

O 'rating' atribuído pela DBRS tem muita relevância para que o Banco Central Europeu (BCE) continue a comprar dívida pública em Portugal e a financiar a banca nacional.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub