Análise Técnica IMF – DAX consolida após forte queda

IMF – DAX consolida após forte queda

Índice alemão consolida na zona dos 13000 pontos, mas zona de suporte mantém-se ameaçada. Eur/Usd mantém-se nos mesmos níveis, crude e ouro corrigem em baixa.
IMF – DAX consolida após forte queda
Depois da forte queda sofrida desde os 13525 pontos (máximos históricos), o DAX tem atravessado um período de consolidação em torno da marca dos 13000 pontos. Assegurando a sua posição acima destes níveis, o índice alemão não compromete a sua tendência de alta no médio prazo. Em todo o caso, não têm sido dados sinais de força relevantes, sendo que uma eventual quebra em baixa dos 12840/12900 pontos oferece um sinal de reversão ao movimento principal e deixa o índice vulnerável a um recuo até à zona dos 12500 pontos.


Euro/Dólar em consolidação

O Eur/Usd assumiu uma toada de consolidação, na última semana. Os dados económicos divulgados na zona euro e nos EUA produziram impacto limitado no mercado, com o mercado a aguardar também pela votação da reforma fiscal no Senado norte-americano.

Tecnicamente, a natureza impulsiva da subida do Eur/Usd até à zona de $1.1960 abriu espaço a uma correção em baixa. Em todo o caso, as perdas foram limitadas e, por agora, a toada de curto prazo ainda é de alta, com objetivo fixado na região de $1.20 (nível técnico e psicológico). Na parte inferior, o Eur/Usd segue suportado numa trendline ascendente e nos $1.1820, sendo que uma eventual quebra em baixa abre espaço a um recuo até aos $1.1710/30.


CRUDE corrige desde máximos de 2 anos

O crude tem estado a negociar em baixa, após ter atingido novos máximos de dois anos na passada semana. Mesmo com a reunião da OPEP, com o intuito de estender os cortes na produção, os EUA elevaram a oferta para novos recordes. Este ato influenciou negativamente o crude, quebrando a tendência gerada pela possibilidade duma diminuição da produção diária, por parte da OPEP e possivelmente da Rússia.

O crude continua, a médio prazo, a acompanhar o canal ascendente, que se vem a formar desde agosto. No curto prazo é expectável que a tendência continue positiva, mesmo após a correção sofrida na última semana. Os ganhos do crude poderão vir a ser, contudo, limitados pela aproximação a uma resistência formada pelo limite superior da formação triangular ascendente, visível desde meados de 2016.


Ouro em mínimos de duas semanas

O ouro atingiu, no final da semana, mínimos de duas semanas, numa altura em que os Estados Unidos publicaram dados do terceiro trimestre satisfatórios que comprovam o crescimento da sua economia, tendo a presidente da FED Janet Yellen feito declarações bastante otimistas acerca da mesma.

A nível técnico, o ouro chegou a passar ligeiramente a zona de resistência dos $1295, tendo posteriormente registado uma queda acentuada a rondar os 2%. O "metal precioso" quebrou em baixa a linha de tendência ascendente, traçada desde os mínimos de julho, ficando agora vulnerável a um teste até à zona de suporte em torno dos $1265. Uma eventual quebra destes níveis compromete o cenário positivo no médio prazo.

As análises técnicas aqui publicadas não pretendem, em caso algum, constituir aconselhamento ou uma recomendação de compra e venda de instrumentos financeiros, pelo que os analistas e o Jornal de Negócios não podem ser responsáveis por eventuais perdas ou danos que possam resultar do uso dessas informações. Caso pretenda ver esclarecida alguma dúvida acerca da Análise Técnica, por favor contactar a IMF ou o Jornal de Negócios.





A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar