Análise Técnica IMF – Euro/Libra depara-se com resistência a £0.9050.

IMF – Euro/Libra depara-se com resistência a £0.9050.

Força do Banco de Inglaterra provocam nova queda da libra para mínimos do ano. Eur/Usd “finalmente” vendido a $1.19.
IMF – Euro/Libra depara-se com resistência a £0.9050.
Em 2016, a reação ao Brexit implicou perdas para a libra, fazendo o Eur/Gbp subir um patamar para valores acima de £0.83. Desde então, o câmbio tem estado lateral, oscilando quase sempre entre £0.83 e £0.9050 libras por euro – a exceção foram alguns dias em outubro de 2016 quando a libra teve um "flash crash". Nas últimas semanas tem-se notado um novo arranque em alta.

Na verdade, tendo em conta o fluxo de notícias, a libra até se tem comportado de forma relativamente resiliente, mas a reunião do Banco de Inglaterra (BoE) da passada quinta-feira levou o par a testar novamente os £0.9050, naquele que é um momento técnico relevante. A votação a favor da manutenção de taxas teve o resultado de 6-2, face aos 5-3 da anterior, o que "atrasa" uma subida dos juros da libra. Além disso, o BoE reviu em baixa as previsões para o crescimento do PIB. Se as £0.9050 forem quebradas em alta, há poucos obstáculos até aos níveis de outubro de 2016, nas £0.9350.



Euro/Dólar vendido a $1.19, após máximos de 30 meses
Na semana passada, o Eur/Usd prolongou a subida e avançou para máximos desde janeiro de 2015, já acima de $1.19. Na base desta fragilidade mais recente do dólar têm estado sobretudo as questões políticas, nomeadamente as dificuldades de Donald Trump em aprovar legislação, manter a sua equipa e evitar conflitos. Ou seja, o mercado cambial tem estado focado mais nos aspetos políticos do que económicos.

Mas, como a economia não é totalmente relevante e, sobretudo, o posicionamento do mercado estava muito "esticado" a favor do euro, Na sexta-feira, bons números do emprego nos EUA despoletaram a onda de vendas mais significativa das últimas semanas. No entanto, reconheça-se , ainda não há sinais de uma inversão de tendência. O suporte mais próximo situa-se nos $1.1720, nos importantes $1.1600/10 e na trendline ascendente, traçada desde os mínimos de junho, com uma eventual quebra a sugerir um regresso à zona de $1.15. Em caso de novo arranque, os $1.20 estão muito próximos, mas há espaço para $1.25.



CRUDE encontra resistência perto de $50
Nos últimos dias, o crude manteve-se abaixo dos $50 por barril, limitado pela oferta elevada nos EUA. A Goldman Sachs afirmou que a indústria do petróleo se adaptou com sucesso aos preços do petróleo em torno dos $50 por barril, conseguindo produzir e operar em níveis que anteriormente não seriam lucrativos.

No cenário técnico, merece destaque a rejeição ligeiramente acima de $50, que acaba por definir de forma mais clara uma linha de tendência descendente – que mostra como o mercado ainda está frágil. É verdade que também existe uma linha de tendência ascendente, de prazo mais curto e mais inclinada, pelo que nas próxima semanas os níveis a observar passam muito por essas linhas.



Ouro beneficiou de dólar fraco… até aos $1275
O ouro estava a registar a quarta subida semanal consecutiva, beneficiando do dólar fraco e das expectativas de uma subida de taxas de juro mais gradual nos EUA que diminuem o custo de oportunidade de deter um ativo sem rendimento. No entanto, a meio da semana começou a ficar clara a dificuldade em ultrapassar os $1275/onça e acompanhar os ganhos do Eur/Usd. Portanto, do ponto de vista técnico, nota-se o início de uma correção e cujo aspeto mais relevante foi o ouro não ter efetuado um máximo relativo mais alto, enquanto o Eur/Usd fazia máximos e o Dollar Index batia mínimos. Em termos de médio prazo, continua a prevalecer a banda de lateralização entre $1205 e $1295.



As análises técnicas aqui publicadas não pretendem, em caso algum, constituir aconselhamento ou uma recomendação de compra e venda de instrumentos financeiros, pelo que os analistas e o Jornal de Negócios não podem ser responsáveis por eventuais perdas ou danos que possam resultar do uso dessas informações. Caso pretenda ver esclarecida alguma dúvida acerca da Análise Técnica, por favor contactar a IMF ou o Jornal de Negócios.





A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

lolol.. a nivel domestico, o bcp nao apresenta lucros, tem um plano de devolução de 45 Milhoes aos trabalhadores para os proximos 3 anos, isto tudo sustentado por 1 posição de 51% no BCP polonia.. O BCP não vai distribuir dividendos nos proximos 10anos... good luck com esses stocks!!

shorts DEIXEM o BCP SUBIR para 0.75 Há 2 semanas

COMPREM POSIÇÕES LONGAS NO MILENUM BCP E VÃO FICAR RICOS NÃO SEJAM ESTÚPIDOS vendam ESSAS posições curtas o QUANTO antes os RATINGS do BCP e de PORTUGAL VÃO SUBIR em BREVE a nossa divida CORTADA ao meio o BCP vai para 1 EURO até ao fim do ANO

pub