Análise Técnica IMF – Nikkei com espaço para prolongar tendência de alta

IMF – Nikkei com espaço para prolongar tendência de alta

Quebra dos 20000 pontos por parte do índice japonês dá sinal técnico de força. Eur/Usd renova máximos desde novembro. Crude volta a perder terreno. Ouro avança pela quarta semana consecutiva.
IMF – Nikkei com espaço para prolongar tendência de alta
O Nikkei, índice acionista japonês, esteve em destaque esta semana ao ultrapassar a marca dos 20000 pontos pela primeira vez desde 2015. A importância dessa referência não era apenas psicológica, uma vez que tecnicamente tinha já atuado também como resistência no início de maio. Deste modo, a quebra em alta desta zona dá mais um sinal de força não só para o curto, mas também para o médio prazo. O Nikkei tem vindo a desenvolver uma tendência de alta desde julho de 2016, havendo agora condições para que o movimento se prolongue até à região dos 20950 pontos – resistência importante depois de ter travado três incursões do índice em 2015. Em termos de curto prazo, a toada seria neutralizada abaixo dos 19450/19570 pontos.



Euro/Dólar continua construtivo em alta
O Eur/Usd deu continuidade aos ganhos e renovou máximos desde novembro. Apesar de uma subida de taxas de juro da FED este mês estar já descontada pelo mercado, os dados da economia norte-americana levantam dúvidas quanto a novas subidas no segundo semestre.
A nível técnico, o Eur/Usd continua a não dar sinais de fraqueza e a tendência principal de alta permanece intacta. Em todo o caso, o movimento apenas será retomado com a quebra em alta da zona de resistência dos $1.1270/80 (cenário plausível), que abriria espaço até $1.1360. Sem essa quebra, prevalece a toada de consolidação no curto prazo, com $1.1080 - $1.1280 como intervalo a ter em conta.



CRUDE acentua perdas
O crude prolongou perdas e caiu para mínimos de três semanas. Apesar de os inventários nos EUA continuarem a cair, a produção está a aumentar. O mesmo acontece com a produção de Líbia e Nigéria, diminuindo assim a confiança do mercado quanto a um equilíbrio entre procura e oferta.
O crude já testou o suporte em torno dos $47.00 (suporte anterior e correção de 61.8% à subida desde os $43.70 aos $52.00). Uma eventual quebra agravaria o cenário de curto prazo, sendo que nesse cenário o crude ficaria vulnerável a uma queda até $43.70. A toada apenas seria novamente neutralizada acima das médias móveis de 50 e 200 dias, que passam nesta altura em torno dos $49.50.



OURO em máximos desde abril
O ouro registou a quarta subida semanal consecutiva e segue em máximos de cinco semanas. O metal precioso continua a ser suportado pela fraqueza do dólar e pelas incertezas a nível geopolítico.
Tecnicamente, o cenário segue construtivo em alta em termos de curto prazo. A zona de $1260, anterior resistência, tem atuado agora como suporte, havendo condições para uma aproximação à região dos $1295/$1300. Em termos de médio prazo, o cenário de mínimos e máximos relativos cada vez mais altos também continua válido. Um sinal de reversão surge apenas abaixo da trendline traçada desde os $1180.


As análises técnicas aqui publicadas não pretendem, em caso algum, constituir aconselhamento ou uma recomendação de compra e venda de instrumentos financeiros, pelo que os analistas e o Jornal de Negócios não podem ser responsáveis por eventuais perdas ou danos que possam resultar do uso dessas informações. Caso pretenda ver esclarecida alguma dúvida acerca da Análise Técnica, por favor contactar a IMF ou o Jornal de Negócios.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub