Análise Técnica IMF Sonae Indústria dispara em bolsa

IMF Sonae Indústria dispara em bolsa

Títulos da Sonae Indústria valorizaram mais de 22% em dezembro; Eur/Usd corrige de máximos de três semanas; crude permanece em período de lateralização; Ouro prossegue com correção em alta.
IMF Sonae Indústria dispara em bolsa
A Sonae Indústria está a registar um comportamento bastante positivo desde 2016, chegando ao final de dezembro com uma valorização mensal superior a 22%. Em 2017, as cotações já subiram 144%. A empresa alcançou um lucro de 14,1 milhões de euros no primeiro semestre deste ano, face aos 27.5 milhões de euros de prejuízo verificados no mesmo período do ano de 2016.

A nível técnico, a cotação da empresa segue uma tendência de alta desde meados de 2016, após seis meses de uma consolidação lateral. Desde fevereiro, a Sonae indústria segue num canal ascendente. O suporte mais próximo encontra-se nos 2.83 euros.


Euro/Dólar corrige de máximos de três semanas

O Eur/Usd situa-se numa pausa da tendência de alta, após ter entrado num período de lateralização, iniciado no verão. As eleições na Catalunha e a aprovação da Reforma Fiscal, conduziram o par no decorrer da última semana. Ainda assim, os movimentos foram de dimensão reduzida face aos eventos.

Do ponto de vista técnico, o câmbio poderá retomar novamente a tendência negativa que se verifica desde inicio de setembro. O Eur/Usd está a movimentar-se dentro de dois canais com direções opostas. Além das linhas de tendência desses canais, as próximas referências principais situam-se na zona de suporte em torno de $1.1710 e da zona de resistência em torno de $1.1860-$1.1960.


CRUDE permanece em período de lateralização

Na última sexta-feira, o preço do petróleo caiu dos seus níveis máximos de mais de dois anos, influenciado pelo peso da produção dos Estados Unidos e da expectativa da possibilidade da reabertura do oleoduto "Forties", no Mar do Norte (oleoduto que é responsável por 40% do transporte de gás e petróleo do Mar do Norte). Contudo, os mercados mantiveram-se bem suportados pelos cortes na produção por parte da OPEP e da Rússia.

Tecnicamente, o crude permanece num período de consolidação, desde a última quinta-feira, com valores entre $56 e $58.50. Permanece o desenvolvimento de um triângulo de consolidação. Caso o mesmo seja quebrado, poderá evidenciar a possibilidade de o desenvolvimento de uma nova tendência. Na parte inferior, um rompimento em baixa, abre espaço para um teste a um novo suporte fixado em torno de $54.80, mas estas figuras são habitualmente apenas uma pausa antes de dar continuidade à tendência em vigor, neste caso de alta.


Ouro atinge máximos de duas semanas

O ouro atingiu máximos de quase duas semanas, recuperando mais de 2.5% no espaço de apenas oito dias. Após ter registado uma queda recente, que foi notória ao longo de vários dias, o metal precioso conseguiu anular esse movimento negativo. Deve notar-se que registou um mínimo relativo mais alto.

A nível técnico, após ter recuperado em alta do valor suporte dos $1240, o ouro prossegue numa tendência positiva de curto prazo. O ouro poderá a recuperar para valores de finais de novembro caso essa tendência se mantenha, sendo possível que venha a testar a resistência de curto prazo fixada nos $1295.

As análises técnicas aqui publicadas não pretendem, em caso algum, constituir aconselhamento ou uma recomendação de compra e venda de instrumentos financeiros, pelo que os analistas e o Jornal de Negócios não podem ser responsáveis por eventuais perdas ou danos que possam resultar do uso dessas informações. Caso pretenda ver esclarecida alguma dúvida acerca da Análise Técnica, por favor contactar a IMF ou o Jornal de Negócios.





pub