Bolsa Impresa com maior queda desde Junho após prejuízo de 585 mil euros

Impresa com maior queda desde Junho após prejuízo de 585 mil euros

A dona da SIC perdeu mais de 7,5% no dia seguinte a ter revelado que registou um prejuízo de 885 mil euros nos primeiros nove meses deste ano. A cotada registou a maior queda desde 9 de Junho e negociou em mínimos de 29 de Agosto.
Impresa com maior queda desde Junho após prejuízo de 585 mil euros
Miguel Baltazar/Negócios

Os resultados aquém das expectativas da Impresa entre Janeiro e Setembro deste ano levaram as acções da cotada a registar uma queda de 7,56% para 0,208 euros. Esta foi a maior queda diária da dona da SIC desde que perdeu 7,66% na sessão de 9 de Junho último. 

 
No entanto, durante a sessão os títulos accionistas da Impresa chegaram mesmo a afundar 13,33% para 0,195 euros, o que representa o valor mais baixo desde 29 de Agosto passado.
 
Foi um dia de grande liquidez para as acções da Impresa. Trocaram de mãos mais de 868,5 mil acções, valor que supera em muito a média diária dos últimos seis meses que é inferior a 185 mil títulos negociados.
 
A colocar sob pressão o grupo liderado por Francisco Pedro Balsemão estiveram os resultados que a cotada divulgou esta terça-feira já depois do encerramento da bolsa lisboeta.
 
Nos primeiros nove meses de 2016, a Impresa registou um prejuízo de 585 mil euros, valor que compara com o lucro de 1 milhão de euros alcançado em igual período do ano passado. No comunicado ontem enviado ao regulador o grupo de media explicou que esta evolução negativa se deveu aos custos de reestruturação, um processo cuja implementação foi iniciada ainda no final do ano passado.
 
Olhando apenas para os números relativos ao terceiro trimestre, a Impresa obteve prejuízos de 1,8 milhões de euros, resultado que compara com o lucro de 416 mil euros conseguido no período homólogo.
 
Para os analistas estes resultados foram "decepcionantes". No entender da casa de investimento do BPI, os números "revelam resultados operacionais mais fracos e aumentam as preocupações em relação à geração de cash flow". "Os números foram decepcionantes em todos os segmentos, mas o impacto deve ser mitigada se a Impresa apresentar um quarto trimestre sólido", pode ainda ler-se numa nota de "research" do BPI divulgada esta quarta-feira.  
 
Na mesma linha, também a unidade de investimento da Caixa Geral de Depósitos (CaixaBI) considerou que os resultados da Impresa ficaram abaixo das expectativas, considerando que tanto o resultado líquido como o EBITDA decepcionaram "devido a uma performance das receitas de publicidade da televisão muito abaixo do previsto".
 
"O total de receitas ficou abaixo das nossas expectativas sobretudo devido ao comportamento das receitas de publicidade de televisão: antecipávamos um crescimento de 4,5% no terceiro trimestre e as receitas diminuíram mais de 8%, o que significa que a Impresa perdeu quota de mercado", lê-se ainda na nota publicada pelo CaixaBI.

 
Nota: A notícia não dispensa a consulta da nota de "research" emitida pela casa de investimento, que poderá ser pedida junto da mesma. O Negócios alerta para a possibilidade de existirem conflitos de interesse nalguns bancos de investimento em relação à cotada analisada, como participações no seu capital. Para tomar decisões de investimento deverá consultar a nota de "research" na íntegra e informar-se junto do seu intermediário financeiro.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana


PS ROUBA OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO

Como sempre, vem aí mais aumentos e regalias para a FP/CGA… e mais impostos para os privados.

Quando é que o TC vê isto?


pub
pub
pub
pub