Obrigações Impresa desiste de colocar obrigações no mercado

Impresa desiste de colocar obrigações no mercado

Depois de dois adiamentos, o cancelamento. A Impresa não vai avançar para a emissão de obrigações, como pretendia. O grupo dono da SIC e Expresso remete para "as alterações recentes no sector dos media".
Impresa desiste de colocar obrigações no mercado
Miguel Baltazar/Negócios
Diogo Cavaleiro 21 de julho de 2017 às 19:26

A Impresa desistiu de colocar obrigações junto de investidores qualificados. A empresa que detém a SIC e o Expresso deixou cair a emissão que podia ir até aos 35 milhões de euros, depois de ter adiado, por duas vezes, o prazo da operação.

 

"A Impresa – Sociedade Gestora de Participações Sociais, S.A. informa que tomou a decisão de interromper o processo de emissão de obrigações a subscrever por investidores qualificados, anunciado a 3 de Julho, atendendo às alterações recentes no sector dos media e ao impacto resultante no sentimento da comunidade de investidores", indica o comunicado emitido esta sexta-feira, 21 de Julho.
 

"Continuaremos a acompanhar com atenção e dinamismo a evolução do mercado, de modo a detectar e antecipar o surgimento de condições que favoreçam a estratégia da Impresa", diz, em nota às redacções, o CEO do grupo, Francisco Pedro Balsemão.

À Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a empresa presidida por Francisco Pedro Balsemão não especifica que alterações no sector dos media são essas que levaram à revogação desta operação, que estava a ser liderada pelo Haitong Bank (antigo BESI). No dia 14, a Altice anunciou a compra da Media Capital, dona da TVI, operação a que a concorrente proprietária da SIC respondeu telegraficamente – "A Impresa é e sempre foi, a favor da concorrência leal num mercado que funcione de forma sã, bem como do pluralismo na comunicação social".

 

Conforme anunciado no início de Julho, a operação de emissão de dívida poderia ascender a 35 milhões e a subscrição poderia ser feita de duas formas: pagando em dinheiro ou entregando títulos de uma emissão anterior (emitida em 2014 e que seria paga em 2018).

Apenas investidores qualificados poderiam subscrever a operação. Mas acabaram por não fazê-lo, apesar dos dois adiamentos: a primeira data de fim de subscrição foi 14 de Julho, depois adiada para dia 19 e, posteriormente, para 21. Neste último dia, é anunciada a revogação da operação.

O objectivo desta emissão de dívida, destinada apenas a investimentos superiores a 100 mil euros, era renovar as linhas de financiamento (substituindo a que tinha de pagar em 2018 para esta, que teria o prazo de vencimento em 2022, reduzindo os reembolsos que tem de fazer no próximo ano) e ainda financiar a expansão do edifício que a empresa tem em Laveiras, em que estão a maioria das publicações e para onde quer transferir a SIC, actualmente em Carnaxide. Na prática, a empresa não conseguiu pedir dinheiro a investidores e terá de reembolsar a dívida que vence em 2018. 



(Notícia actualizada às 19:50 com mais informações)




A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Vai ser a NOS a avançar. Já há uns meses atras o CEO da NOS, disse que se a Altice comprasse TVI, que teria que haver "sangue", ...... que forçosamente terá que ser a OPA sobre a IMPRESA. Falta inda saber a que preço!!!

Anónimo Há 3 semanas

.......veremos se é a NOS, ou será a VODAFONE a pressionar?

Quanto mais concorrência, melhor. Mais o preço sobe. Nas ultimas sessões o volume de transacções da IMPRESA, tem sido baixo, porque quem tem ações, nas as quer vender, .....até à OPA!

Anónimo Há 3 semanas

Porque será que foi adiado o prazo, e agora anulado. A NOS, com fortes lucros, irá avançar com OPA
Analisem o que se passou com o Montepio, trepou, desceu...e depois de fechar o mercado, anunciaram opa ao dobro. Na próxima semana IMPRESA, a disparar novamente. Valor da OPA = 1.25€

MANUEL Há 3 semanas

Amanha..........BOOOOOOOOM DIA IMPRESA

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub