Bolsa Impresa dispara mais de 20% em dois dias com potencial interesse da Nos

Impresa dispara mais de 20% em dois dias com potencial interesse da Nos

Os títulos da dona da SIC estão a disparar pela segunda sessão consecutiva animados pela especulação em torno da possibilidade de a Nos avançar para a compra da empresa se a Altice adquirir a Media Capital.
Impresa dispara mais de 20% em dois dias com potencial interesse da Nos
Miguel Baltazar/Negócios

As acções da Impresa estão a registar fortes subidas pela segunda sessão consecutiva, animadas pela possibilidade de a Nos avançar para a compra da empresa, se a Altice adquirir a Media Capital.

 

Os títulos avançam 6,86% para 21,8 cêntimos, depois de terem chegado a disparar mais de 9% durante a manhã para negociarem nos 22,3 cêntimos, o valor mais elevado desde 25 de Outubro.

 

Esta subida eleva para mais de 20% a valorização acumulada desde o arranque da semana, já que na sessão de ontem, os títulos dispararam quase 13%.

 

Na base deste comportamento estão a declarações do CEO da Nos, Miguel Almeida, que garantiu que "haverá guerra" se a Altice comprar a TVI. Palavras que levaram o Haitong a considerar que a operadora poderá avançar para a compra da dona da SIC.

 

"Se a Altice/PT comprar a TVI e os reguladores não fizerem nada, haverá guerra", afirmou Miguel Almeida.

 

Em entrevista ao Expresso, o CEO da Nos defendeu que não faz sentido que os operadores de telecomunicações sejam donos de conteúdos e acredita que o hipotético negócio entre a dona da PT Portugal e a Media Capital seja travado pelos reguladores.

 
"Apesar de Miguel Almeida não ter elaborado o que entende como guerra, na nossa visão é claro que a Nos considerará adquirir o outro grupo de media – Impresa – que detém uma canal de televisão privada, no sentido de ter o mesmo poder de negociação que a PT Portugal/Altice", fez saber o Haitong numa nota enviada aos clientes na segunda-feira, 5 de Dezembro.


O Haitong explica que, neste tipo de concentrações, surgem "receios" de que o operador vá proteger os seus próprios interesses em vez de oferecer as mesmas condições para todos os operadores. "É naturalmente um risco", classifica.


Todavia, e caso se confirme o negócio entre a Altice/PT Portugal e a Media Capital, o banco de investimento acredita que o regulador tornará obrigatório que o canal em causa – a TVI – esteja disponível para todos os operadores de televisão. O cenário aplicar-se-ia também a um potencial acordo entre a Nos e a Impresa.


Apesar das fortes subidas desta semana, as acções da Impresa acumulam uma desvalorização de 53,72% desde o início do ano.

 

 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 06.12.2016

o futuro das comunicações passa pelas televisões.

Anónimo 06.12.2016

e vivam os chineses!
não é SR BALSEMÃO?

pub
pub
pub
pub