Obrigações Investidores internacionais asseguraram 90% da emissão de dívida

Investidores internacionais asseguraram 90% da emissão de dívida

Mais de um terço da emissão desta quarta-feira ficou nas mãos de investidores franceses, italianos e espanhóis.
Investidores internacionais asseguraram 90% da emissão de dívida
Pedro Elias/Negócios
Rui Barroso 11 de janeiro de 2017 às 18:08

O Estado deu o pontapé de saída no programa de financiamento para 2017 com a emissão sindicada de três mil milhões de euros a dez anos. Cerca de 90% dos títulos ficaram nas mãos de investidores internacionais, segundo um comunicado divulgado pela agência que gere o crédito público, o IGCP. O Tesouro pagou uma taxa de 4,227% nesta operação - a mais alta em emissões desde Fevereiro de 2014 - e a taxa de cupão foi de 4,125%.

A entidade liderada por Cristina Casalinho explicou nesse documento que "tirando partido da forte reabertura do mercado primário em euros em 2017, o IGCP decidiu avançar com uma nova Obrigação do Tesouro de referência com maturidade em 14 de Abril de 2027". O IGCP revela que o livro de ordens ficou acima de 8,5 mil milhões de euros.

Os investidores franceses, italianos e espanhóis asseguraram a maior parte da emissão. Este grupo absorveu 34,7% da operação. Já os investidores do Reino Unido ficaram com 26% da colocação. Os portugueses ficaram com uma proporção de 10,3%, segundo os dados do IGCP.

Já as gestoras de activos foram o tipo de investidor com maior participação na emissão, que foi feita com recurso a um sindicato bancário. Ficaram com 50,2% dos novos títulos. As instituições bancárias absorveram 24,6% e os fundos de pensões/seguradoras ficaram com 10,8%.

Também os "hedge funds", investidores que tendem a ser mais especulativos e a terem um prazo de investimento mais curto, participaram na emissão. Ficaram com 8,9% das novas obrigações.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
pertinaz Há 1 semana

WHO ELSE?

Nitrato de escarreta Há 1 semana

Os xuxxas no seu melhor, . . . o principio do . . fim. Tamos fooddidos.

Pedro Há 1 semana

Porque é que o Estado permite que se pague 4,2% aos estrangeiros e só dá 2,25% aos cidadãos nacionais nas emissões do IGCP que se fizeram nos últimos meses??? Um escândalo! Façam emissões a 3 ou 3,5% a 10 anos para todas as pessoas JÁ, poupam nos juros e dão mais a ganhar a quem DEVEM DEFENDER!

LMB Há 1 semana

Muito gostava de saber as razões - as verdadeiras, obviamente -, por que a subscrição destes empréstimos está fora do alcance de pequenos aforradores/investidores.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub