Bolsa Já há quem use a mãe para esconder o "inside trading"

Já há quem use a mãe para esconder o "inside trading"

Há problemas e problemas. E depois há aquelas confusões de que nem a nossa mãe nos consegue livrar.
Já há quem use a mãe para esconder o "inside trading"
Reuters
Bloomberg 23 de dezembro de 2017 às 17:00
Nas últimas semanas, as autoridades francesas descobriram dois casos de "insider trading", ou abuso de informações confidenciais, em que as irregularidades cometidas foram encobertas usando a mãe de um dos acusados.

Dois homens foram multados em 946 mil euros depois de serem apanhados numa investigação francesa de "insider trading" através de um telemóvel ligado à mãe de um deles. Na semana anterior, um ex-analista da Standard & Poor’s admitiu às autoridades ter usado a conta bancária da mãe para fechar três transacções questionáveis.

No caso mais recente, o órgão regulador dos mercados da França multou Sylvain Lemaire, um corretor que trabalhava na Louis Capital Markets, por partilhar informações privilegiadas com o investidor Marc-Albert Obadia, que opera em Israel, envolvendo sete transacções entre 2011 e 2013, uma delas ligada a acções da Havas, empresa pertencente à Vivendi. O órgão regulador afastou ainda Lemaire da actividade de corretagem por 10 anos.

Os investigadores da Autorité des Marchés Financiers (AMF) notaram que Obadia fechou sistematicamente ordens de compra processadas por Lemaire para um fundo do banco Dexia há cerca de cinco anos e procurou ligações entre os dois. A AMF aplicou a multa após concluir que Lemaire teria usado um telefone secreto - com um cartão SIM pertencente à mãe do investidor - para partilhar informações confidenciais com Obadia.

"A repetição das violações detectadas e o contexto em que foram realizadas - durante o seu trabalho como corretor -  tornam-nas particularmente graves", afirmou a AMF, na terça-feira, no texto que suporta a decisão. O regulador também concluiu que Lemaire tinha admitido, perante a investigação, ter dado conselhos a Obadia em troca de apresentações a pessoas que pudessem investir no seu próprio "hedge fund", caso este viesse a ser criado.

Repressão como mensagem

As autoridades têm reprimido o insider trading na última década, usando o crime - que levou à prisão magnatas do sector de "hedge funds" - para enviar uma mensagem ao sector financeiro. Há três anos a Elliott Management, do bilionário Paul Singer, foi multada em 16 milhões de euros pelo uso de informações privilegiadas na compra de acções de uma concessionária rodoviária em França em 2010.

A decisão sobre Lemaire e Obadia ocorreu 24 horas antes de o analista da Standard & Poor’s, Lucas Sevenin, ser multado em 90 mil euros. Numa audiência na semana passada, ele confessou ter usado a conta da sua mãe para comprar acções da Vallourec com base em informações privilegiadas que obteve da empresa em contexto de trabalho.

Lemaire, multado em 450 mil euros, e Obadia, que pagará 496 mil euros, negaram ter partilhado informações. Na audiência realizada a 24 de Novembro, os seus advogados argumentaram que não foram encontradas provas concretas de que os dois tivessem conspirado usando o telefone da mãe de Obadia.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
mr Há 3 semanas

Infelizmente isto está podre e só lá vai com revolução!!!