Bolsa Jerónimo Martins pressiona abertura da bolsa

Jerónimo Martins pressiona abertura da bolsa

O PSI-20 está a acompanhar a tendência de queda das praças europeias, numa sessão em que as atenções dos investidores estão centradas na reunião da Reserva Federal.
A carregar o vídeo ...
Nuno Carregueiro 14 de dezembro de 2016 às 08:18

A bolsa nacional abriu em queda, em linha com as praças europeias, com os investidores a aguardarem com expectativa os resultados da reunião da Reserva Federal.

 

O PSI-20 desce 0,25% para 4.637,38 pontos, com nove cotadas em alta, cinco em queda e quatro sem variação. Os índices europeus negoceiam também com sinal negativo, suma sessão em que não se esperam grandes flutuações até ser conhecida a decisão do banco central dos Estados Unidos sobre as taxas de juro.

 

A subida do preço do dinheiro é vista como uma "formalidade", sendo que o foco do mercado estará na forma como o banco central antecipa os impactos das políticas de Trump e quais as orientações futuras da entidade liderada por Janet Yellen em relação ao ritmo de subida dos juros em 2017.

 

Em Lisboa o PSI-20 está a ser pressionado pela Jerónimo Martins, que desce 1,66% para 15,075 euros depois da Kepler Cheuvreux, de acordo com a Bloomberg, ter cortado a recomendação das acções da retalhista de "manter" para "reduzir".

 

Também em terreno negativo está a EDP, com uma queda de 0,38% para 2,864 euros. A empresa liderada por António Mexia anunciou a venda de 48 milhões de euros de défice tarifário. Esta operação diz respeito ao défice tarifário de 2015, relativo ao sobrecusto com a produção em regime especial, anunciou a companhia esta terça-feira, 13 de Dezembro. 

 

Já o Banco Comercial Português recupera do tombo de ontem – as acções desceram mais de 12% na queda mais forte desde 2014 – que tinha sido motivado pela venda de acções por parte do Sabadell. Hoje os títulos do banco avançam 0,39% para 1,1349 euros.

 

A Galp Energia também impede maiores quedas no PSI-20, com uma subida de 0,11% para 14,235 euros.

 


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub