Obrigações Juros afundam quase 30 pontos e renovam mínimos de Janeiro de 2016

Juros afundam quase 30 pontos e renovam mínimos de Janeiro de 2016

As taxas de juro da dívida nacional estão a deslizar em todos os prazos, a beneficiar da decisão da S&P, que retirou Portugal do “lixo”.
A carregar o vídeo ...
Sara Antunes 18 de setembro de 2017 às 10:38

As taxas de juro da dívida nacional estão a registar fortes descidas esta segunda-feira, 18 de Setembro, depois de a Standard & Poor's ter surpreendido o mercado ao retirar o "rating" de Portugal de um patamar considerado de "lixo".

A taxa de juro associada à dívida nacional está a descer 28,8 pontos base para 2,516%, tendo chegado a tocar nos 2,496%, o que corresponde ao valor mais baixo desde Janeiro de 2016. A queda também é a mais pronunciada desde Fevereiro de 2016, de acordo com os valores de fecho dos juros a 10 anos. 

  

Esta descida acentuada dos juros está a levar o prémio de risco da dívida nacional face à alemã para os 208,7 pontos, o que também representa o "spread" mais baixo desde Janeiro de 2016.

 

Este é o primeiro dia de negociação depois da Standard & Poor's ter surpreendido o mercado e ter retirado o "rating" do país de um patamar considerado de "lixo". Esta decisão assume uma importância vital porque há gestores de activos que estão impedidos de alocar mais do que uma pequena porção da carteira de investimento a obrigações classificadas como "lixo" pelas principais agências de "rating".

Esta decisão deverá ajudar Portugal, bem como as cotadas nacionais nas emissões de dívida, podendo ter acesso a condições de financiamento menos penosas. Apesar da melhoria das perspectivas para Portugal, depois desta decisão da S&P, o foco já está na decisão da Fitch em Dezembro, que servirá como uma prova dos nove sobre Portugal.

Este contexto está, desta forma, a contribuir para a descida acentuada das taxas de juro nacionais, mas também para a subida significativa da bolsa nacional. O PSI-20 está a subir 1,28%, tendo chegado a subir mais de 2% esta manhã. Determinante para este comportamento está a generalidade das acções, com destaque para o BCP, que está a subir  quase 5%, tendo chegado a disparar mais de 7%, sendo uma das cotadas mais expostas a oscilações no "rating" do país e, consequentemente, da dívida nacional. 

 




A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Os esquerdalhos são mesmo acéfalos 18.09.2017

Pensam que os Tugas não sabem fazer contas?
Eu explico a ver se entendem...
Vocês recebem uma migalha pela frente e por trás têm que pagar um pão?
Perceberam asnos??

Anónimo 18.09.2017

Este pertinaz(inho) é um bom exemplo da ESCUMALHA (PAF)IENTA e RESSABIADA que frequenta estes forums!

joao 18.09.2017

Pertinaz quem debita baboseiras és tu. Infelizmente há mt gente a ganhar o sal minimo (gente a + para mim e d - para ti e para os PAF's), mas tiveram aumentos como nunca. E sabes para eles 30 euros é mt dinheiro! mas os outros tb ganharam, basta terem acabado com a Sobretaxa IRS q ganham mt +. AZIA!

Anónimo 18.09.2017

O salário mínimo AUMENTOU para todos de 500 para 600 euros, é lógico que todos os que recebiam 500 e tal euros no tempo do PSD não recebiam o salário mínimo que era de 484€. essa é a razão porque duplicaram os trabalhadores a receber salário mínimo, por causa do AUMENTO de salários. Volta pa escola

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub