Obrigações Juros com maior agravamento em ano e meio

Juros com maior agravamento em ano e meio

O mês de Janeiro trouxe, pela expectativa do fim do programa de compras do BCE, pelo abrandamento da compra de dívida portuguesa e pela incerteza política, o maior agravamento nos juros desde Junho de 2015.
Juros com maior agravamento em ano e meio
Mario Proenca/Bloomberg
Paulo Zacarias Gomes 31 de janeiro de 2017 às 17:17

Janeiro trouxe o maior agravamento mensal aos juros da dívida soberana de Portugal em ano e meio, com as ‘yields’ associadas aos títulos a dez anos a subirem 42,6 pontos base para 4,19% no espaço de um mês na transacção em mercado secundário.


O comportamento do mês que agora termina só é comparável com os agravamentos verificados em Maio e Junho de 2015, quando os juros subiram 46,1 e 43,4 pontos base, respectivamente. Contudo, então, as "yields" estavam na casa dos 3%.


A justificar os agravamentos no mês de Janeiro esteve desde logo a aceleração dos preços na Zona Euro, que aumentou a expectativa sobre uma retirada antecipada dos estímulos do Banco Central Europeu (BCE). Ainda esta terça-feira foi conhecido o valor da inflação na Zona Euro (que subiu de 1,1% em Dezembro, para 1,8%, em Janeiro), valor que fica próximo da meta de 2% estabelecida no mandato de estabilidade de preços do BCE.

Além disso, também pesa o abrandamento do ritmo de compras de dívida portuguesa no âmbito do programa de aquisição de activos do banco central. E a condicionar não só as obrigações portuguesas como as pares do sul da Zona Euro está também a incerteza política na Europa (nomeadamente com as eleições na Holanda e Alemanha à porta) e a reavaliação global das obrigações.

Além de Portugal, também outros periféricos experimentaram agravamento no mês de Janeiro e, nos casos de Irlanda e Itália, próximos da variação da dívida de Lisboa. Os juros de Itália a dez anos subiram 44,7 pontos-base (a maior subida desde Outubro de 2016) e os da Irlanda avançaram 42,5 pontos-base, também na maior subida desde Junho de 2015, como a portuguesa. Espanha viu os juros subirem 21,4 pontos-base, a maior subida em dois meses. 

O mês de Janeiro trouxe os juros de Portugal para território acima dos 4%, para máximos de Fevereiro do ano passado. O valor, capaz de criar nervosismo no mercado, apenas deverá começar a preocupar se os juros vierem a superar os 5%, disseram analistas ao Negócios

Segundo José Miguel Cerdeira, economista do BPI, Portugal "permanece numa situação frágil" apesar da melhoria verificada nas contas públicas no ano passado, com o Governo a garantir que o défice orçamental terá ficado abaixo dos 2,3% do PIB. 

O ministro das Finanças, Mário Centeno, reconheceu na sexta-feira passada preocupação com o nível elevado dos juros, mas garantiu que o financiamento de Portugal está controlado.

Apesar do balanço de agravamento mensal, o dia até fechou com alívios para os juros de Portugal, depois de conhecidos dados positivos sobre a economia dos 19 - o PIB cresceu mais que o esperado e o desemprego continua em queda.

A 'yield' das obrigações a dez anos colocou esta terça-feira um ponto final numa série de cinco sessões consecutivas de valorizações, cedendo 4,2 pontos base para 4,198%. É a quarta sessão consecutiva em que os juros estão acima dos 4%.

(Notícia actualizada às 17:24 com referência às dívidas periféricas)




A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 31.01.2017

Com o Trump a encher o mundo de trampa e a UE em cacos estes idiotas andam"preocupados" com os juros . Se a coisa der para o torto não há juros nem altos nem baixos que nos safem uns tempos muito muito maus , capite?

Anónimo 31.01.2017

Vamos todos prá india, bolas prá ilha.

Ui, Costa, os juros sobem por tua culpa. 31.01.2017

O tição Costa é o maior, com ele é tudo à grande até nos juros! O q têm a dizer a Catarina teatreira e o cassete Jerónimo?! Nada! Não piam! Vamos virar a página da austeridade? Dizem eles é preciso renegociar a divida "isto é não pagamos" depois no dia seguinte vamos pedir mais! Eles emprestam??

Anónimo 31.01.2017

A geração rasca… de esquerda

PS - PCP - BE - e seus apoiantes - são uns PHILHOS DE PHU TA que xupam o sangue ao POVO...

para dar mais dinheiro e privilégios aos ladrões FP-CGA.

E o da lotaria precisa é de um das Caldas.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub