Mercados Juros da dívida portuguesa renovam mínimos de 2011

Juros da dívida portuguesa renovam mínimos de 2011

As taxas de juro implícitas na dívida pública portuguesa estão em forte queda, num comportamneto que reflecte o aliviar de pressão sobre Portugal. Tendência de descida contraria a das restantes economias periféricas.
Hugo Paula 27 de abril de 2012 às 11:08
A “yield” implícita nas obrigações a dois anos recua 42,4 pontos base para 8,511% e renova um mínimo do dia 31 de Março de 2011, segundo as taxas genéricas da Bloomberg para Portugal.

No prazo de cinco anos a queda é de 29,5 pontos base para 12,273%. Uma taxa que é a mais baixa desde o passado dia 6 de Setembro. Nos títulos com prazo de 10 anos a taxa de remuneração implícita renova mínimos com o mesmo prazo, com os juros a caírem 10,9 pontos base para 10,825%.

A tendência de descida dos juros contraria a dos juros de Espanha, Itália e França. Ontem, a agência de “rating” Standard & Poor’s cortou a classificação da qualidade de crédito da dívida de Espanha em dois níveis para “BBB+”.

Os juros da dívida a 10 anos espahóis sobem 8,6 pontos base para 5,919%, no meracdo secundário, e a “yield” das obrigações a 10 anos de Itália avança 7,8 pontos base para 5,720%.

Em França, os juros da dívida a 10 anos sobem 2,0 pontos base para 2,998%, enquanto a “yield” da dívida alemã recua 0,1 pontos base para 1,486%, com os investidores a aumentarem a sua exposição a activos de refúgio.

"A confiança está-se a deteriorar e parte dessa história tem a ver, claro, com a perspectiva para Espanha", disse o economista do holandês Rabobank, Elwin de Groot, à Bloomberg. "A taxa de juro da dívida pública de curto prazo da Alemanha é quase zero, é uma loucura."



A sua opinião22
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
asCetanfy3ml 04.12.2016

http://rogaine-online.cricket/ - where do you buy rogaine http://cheapcialis.us/ - cialis http://sildalis-online.cricket/ - sildalis

asCetaad0rzm 03.12.2016

http://fluoxetinehcl.us/ - fluoxetine http://citalopram-for-anxiety.us/ - citalopram http://retin-a-micro-gel.science/ - retin-a http://allopurinol.pro/ - allopurinol

Antonio Micaelo 27.04.2012

Eu de certeza não percebo nada de contas, mas dá para perceber e não percebo a euforia de alguns comentadores, quando vejo (são os números) os nossos juros a terem de ser pagos em mais do dobro dos da Espanha e Itália!!!... Não sei onde está a razão de esta gente estar tão feliz...

yupiyupi 27.04.2012

portugal tem uma enorme margem de manobra na despesa.....logo os investidores começam a ganhar confiança com as medidas tomadas....se os investidores começam a acreditar em nós,agora só falta nós fazermos o mesmo.....ou vamos continuar com as lamentaçoes do costume ??????????????....se n fizermos por nós ninguem mais o fará.....tenho dito.

ver mais comentários
pub