Obrigações Juros da dívida portuguesa a 10 anos abaixo de 2%

Juros da dívida portuguesa a 10 anos abaixo de 2%

A "yield" das obrigações do tesouro a 10 anos tocou no valor mais baixo desde Abril de 2015.
Juros da dívida portuguesa a 10 anos abaixo de 2%
Miguel Baltazar/Negócios
Nuno Carregueiro 07 de novembro de 2017 às 10:40

Os juros da dívida portuguesa a 10 anos quebraram a barreira dos 2% pela primeira vez desde 29 de Abril de 2015, num movimento que surge numa altura em que investidores continuam a apostar nas obrigações soberanas do euro e na véspera de Portugal regressar ao mercado, precisamente para emitir dívida a 10 anos.

A "yield" das OT a 10 anos, de acordo com as taxas genéricas da Bloomberg, cede 3 pontos base para 1,997%, sendo já a quarta sessão consecutiva de alívio nos juros da dívida portuguesa. Nas restantes maturidades a tendência é também de descida, entre 1 e 3 pontos base. Os títulos com prazo a 3 anos estão prestes a entrar também em terreno negativo, tal como já acontece nas maturidades inferiores.

De acordo com a Bloomberg, existem sinais de que os investidores continuam com apetite pela dívida portuguesa, que apresenta uma das melhores prestações na Europa este ano. Isto num contexto de procura dos investidores por activos mais arriscados, que é visível também na forte alta dos mercados accionistas em várias geografias.


 

Dos 4% a metade em oito meses

Outubro foi o sétimo mês de rendibilidades positivas para as obrigações portuguesas, sendo que a descida das "yields" tem sido acentuada. Em Março deste ano (altura em que os investidores mostravam preocupação com a evolução do défice e o impacto do Novo Banco) os juros estavam acima dos 4%, sendo que demoraram apenas mais quatro meses a descerem da fasquia dos 3%.

Para chegar aos 2% foram necessários mais quatro meses, sendo que a queda mais recente das últimas sessões tem como explicação a decisão de sexta-feira da agência DBRS em manter o rating da dívida soberana nacional em "BBB" – último nível do grau de investimento – e a perspectiva "estável".

Jorge Garayo, analista do Société Générale, admite que a procura por dívida portuguesa poderá estar relacionada com a expectativa de que a Fitch venha a retirar o rating de Portugal de lixo, na decisão que a agência prevista para Dezembro.

Nesse sentido, está a recomendar aos clientes que participem no leilão de obrigações do Tesouro a 10 anos, que o IGCP vai realizar amanhã e onde pretende encaixar até 1.250 milhões de euros.

Spread face a Espanha a caminho dos 50 pontos

A descida dos juros na sessão de hoje não é um exclusivo das obrigações portuguesas, sendo transversal aos títulos de dívida dos periféricos. 

A yield da dívida a 10 anos de Itália está a recuar 5 pontos base para 1,74%, um mínimo desde Janeiro. Em Espanha a descida é semelhante à registada em Portugal.

A diferença entre a dívida portuguesa e espanhola está esta terça-feira nos 53 pontos base, sendo que o spread está cada vez mais próximo de ficar abaixo dos 50 pontos base, o que já não acontece desde Setembro de 2015. O spread face à dívida italiana situa-se hoje nos 23 pontos base, acima do mínimo fixado em 11 de Outubro abaixo dos 20 pontos base. 

Quanto ao prémio de risco face à Alemanha (mede o diferencial que os investidores exigem para comprar dívida portuguesa em detrimento da alemã) está esta terça-feira nos 163 pontos base, o que corresponde ao nível mais baixo desde Maio de 2015.

(notícia actualizada pela última vez às 11:35)




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

Nos países que criam condições para se investir, inovar e empreender, onde se faz boa gestão de recursos humanos e o mercado laboral é flexível ao mesmo tempo que o de capitais é forte e desenvolvido, as taxas de juro a 10 anos são desde há muito negativas. Sim, negativas, leram bem.

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Nos países que criam condições para se investir, inovar e empreender, onde se faz boa gestão de recursos humanos e o mercado laboral é flexível ao mesmo tempo que o de capitais é forte e desenvolvido, as taxas de juro a 10 anos são desde há muito negativas. Sim, negativas, leram bem.

TecnoCalotes Há 2 semanas

Os pafiosos continuam a levar nos entrefolhos, o diabo bem vos anda a cobrir, caneco!

Anónimo Há 2 semanas

Alguém abriu a porta da ratoeira para deixar sair os beijakus.

joaoferreira1 Há 2 semanas

O anónimo que preferia juros de 10 - 15% pode ir lamber o ku ao grande líder...passito coelho.

ver mais comentários
pub