Obrigações Juros de Portugal abaixo dos de Itália pela primeira vez desde 2010

Juros de Portugal abaixo dos de Itália pela primeira vez desde 2010

No dia em que a Fitch deverá voltar a avaliar a dívida portuguesa num grau de investimento, os juros de Portugal continuam a fixar novos mínimos, tendo baixado pela primeira vez, desde 2010, o nível das "yields" italianas.
Juros de Portugal abaixo dos de Itália pela primeira vez desde 2010
Patrícia Abreu 15 de dezembro de 2017 às 10:43

Os juros a dez anos de Portugal atingiram pela primeira vez em quase oito anos um nível inferior às "yields" de Itália. Esta evolução ocorre num momento em que os investidores estão à espera que a Fitch coloque esta sexta-feira a dívida de Portugal num nível de investimento, tornando-se assim a segunda grande agência de notação financeira a avaliar o país em "investment grade".

A taxa de referência a dez anos de Portugal e Itália seguem as duas a negociar no mesmo nível em 1,758%, mas o juro exigido pelos investidores para deter obrigações portuguesas já esteve a negociar abaixo da "yield" italiana. O juro de Portugal tocou, esta manhã, um novo mínimo de Abril de 2015 nos 1,753%, 0,2 pontos base acima do mínimo da sessão a que a taxa de Itália esteve a negociar (1,755%).

Vários analistas têm vindo a antecipar a convergência entre as taxas dos dois países, depois de a Standard & Poor’s ter surpreendido o mercado ao colocar Portugal fora de "lixo", uma decisão que deverá ser seguida hoje pela Fitch, permitindo à dívida portuguesa ser incluída em índices de dívida avaliados em biliões de euros.

Ainda que o potencial de novas descidas nos juros de Portugal seja agora inferior, bancos de investimento como o Société Générale consideram que qualquer correcção na dívida nacional é uma oportunidade de compra, com os analistas a anteciparem já novas melhorias de "rating" em 2018, enquanto a indefinição política em Itália poderá travar a evolução positiva dos juros do país.

"Com as eleições em Itália e a incerteza em torno do resultado eleitoral, é provável que Portugal negoceie abaixo da dívida de Itália em 2018", adiantou  Jens Peter Sørensen, analista-chefe do Danske Bank, ao Negócios esta quinta-feira. E bastou um dia para que esta previsão se confirmasse.

"Esperamos que [o ‘rating’ de] Portugal continue a ser melhorado ao longo de 2018, se a melhoria económica continuar e as finanças públicas se mantiverem saudáveis", antecipa o mesmo especialista. Assim, o analista vê "o ‘rating’ de Portugal em BBB+/A- até ao final do ano". "Recomendamos as obrigações portuguesas", conclui Jens Peter Sørensen.

Já Ciaran O’Hagan, economista do Société Générale, argumenta que "as agências de ‘rating’ foram rápidas a descer em 2010-2012, mas foram muito lentas a melhorar", isto apesar de "Portugal estar em melhor forma agora do que estava quando estava em BBB ou mesmo A em 2011. Por isso não percebemos o que está a travar a Fitch". E, para o especialista do Société Générale, depois desta agência, a Moody’s pode ser já a próxima a melhorar a avaliação de Portugal, a 12 de Janeiro.

(Correcção: Juros de Portugal estão abaixo dos de Itália pela primeira vez desde 2010 e não pela primeira vez na história)




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Saímos da "fossa"... 15.12.2017

Mas não nos livrámos de preocupações.
A bem do futuro do País e das gerações que nos vão continuar, não embandeirem em arco e nada de demagogias.
Liberdade, sim e sempre, mas também Trabalho, Poupança e Investimento inteligente.
Prá frente que o tempo escasseia.

comentários mais recentes
Tentando Perceber a Política 16.12.2017

Nota-se no Presidente da República Muita Azia e Vontade em Picar o Governo, deve achar que perdeu o Eleitorado PS e tenta namorar o Eleitorado PSD, Espero que não estrague tudo Conseguido,a Comunicação Social alinhada com o PR fará tudo por nos pôr novamente na Desgraça,em Política vale tudo, eles n

BCP : é TUDO um PUTEDO sr ALFREDO 15.12.2017



MAS será possivel que com TANTAS boas noticias com as SUBIDAS HOJE dos RATINGS do MILENIUM BCP e de PORTUGAL e nem ASSIM DEIXAM o BCP SUBIR isto é que é uma CAMBADA é um PUTEDO SR ALFREDO é o que É

Anónimo 15.12.2017

Quando ouço o BCE falar sobre política monetária, lembro-me sempre da Itália, esse belíssimo País, com uma dívida pública de 2.300 mil milhões de € e 300 mil milhões de € de crédito mal- parado nos Bancos.

Anónimo 15.12.2017

Correção:

A Itália sempre teve o problema das máfias, pelo menos nos últimos 100 anos, com consequências anti-mercado concorrencial e anti-criação de valor.

Durante esses 100 anos SEMPRE teve taxas muito mais baixas que as Portuguesas.

O que MUDOU foi Portugal, para melhor! Habituem-se!

ver mais comentários
pub