Obrigações Juros de Portugal estáveis em dia de mudança de "benchmark"

Juros de Portugal estáveis em dia de mudança de "benchmark"

Os resultados das eleições na Holanda contribuíram para aliviar os juros da dívida europeia durante a manhã, mas o efeito já se desvaneceu.
Juros de Portugal estáveis em dia de mudança de "benchmark"
Miguel Baltazar
Nuno Carregueiro 16 de março de 2017 às 15:45

A taxa de rendibilidade das obrigações do Tesouro com maturidade a 10 anos está esta quinta-feira em queda muito ligeira, contrariando a tendência que se regista na dívida de outros países europeus.

 

A "yield" dos títulos com maturidade em 14 de Abril de 2027 está a ceder 0,5 pontos base para 4,245%. A taxa dos títulos com maturidade em 21 de Julho de 2016 recua 1 ponto base para 3,959%.

 

Apesar desta queda ligeira, os ecrãs da agência Bloomberg mostram esta quinta-feira, 16 de Março, um agravamento substancial da taxa genérica das obrigações a 10 anos, mas que na prática não é real. Isto porque a linha de referência que passou a ser utilizada é a das obrigações com maturidade em 2027, quanto até ontem era a dos títulos com maturidade em 2016.

 

Assim, as taxas genéricas calculadas pela Bloomberg mostram um agravamento de 27 pontos base na "yield" das obrigações a 10 anos. Mas na prática este valor é a diferença entre a taxa de juro de hoje de uma obrigação com maturidade acima de 10 anos e a taxa de ontem de uma obrigação com maturidade pouco superior a 9 anos.

 

Foi também alterado o benchmark nas restantes maturidades da dívida portuguesa, o que justifica que as taxas genéricas da Bloomberg mostrem um agravamento de 78 pontos base nos títulos a 5 anos e de 63 pontos base nos títulos a dois anos.

 

Nesta quinta-feira o risco da dívida portuguesa até está em queda, já que os juros das obrigações alemãs estão em alta de 4 pontos base, para 0,45%. Nos restantes países europeus a tendência também é de agravamento das "yields", invertendo do alívio sentido esta manhã, provocado pelos resultados das eleições na Holanda, que ditaram a vitória do partido do actual primeiro-ministro.

 

A taxa de juro das obrigações espanholas a 10 anos sobe 4 pontos base para 1,88%, registando-se agravamentos idênticos em França e Itália.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 16.03.2017

Artigo muito oportuno. Obrigado.

Bem, o estado português tem muito medo de emitir a 10 anos, há muito poucas emissões, e depois dá nesta
confusão ...

Afinal a verdadeira taxa a 10 anos da dívida pública portuguesa é de 4,20% mais uns pósitos.

Isto está ainda pior do que eu pensava!

Ò Costa, toma juízo ...

comentários mais recentes
Anónimo 16.03.2017

Artigo muito oportuno. Obrigado.

Bem, o estado português tem muito medo de emitir a 10 anos, há muito poucas emissões, e depois dá nesta
confusão ...

Afinal a verdadeira taxa a 10 anos da dívida pública portuguesa é de 4,20% mais uns pósitos.

Isto está ainda pior do que eu pensava!

Ò Costa, toma juízo ...

Manuel Azevedo 16.03.2017

Eu acho o jornalista queria dizer 21 de Julho de 2026 e não 2016 como indica....

pub