Obrigações Juros de Portugal abaixo dos 3% pela primeira vez desde Setembro

Juros de Portugal abaixo dos 3% pela primeira vez desde Setembro

No espaço de dois meses os juros da dívida a 10 anos baixaram um ponto percentual. No arranque de Junho desceram dos 3%, quando no primeiro dia de Abril tinham superado os 4%.
Juros de Portugal abaixo dos 3% pela primeira vez desde Setembro
Miguel Baltazar
Nuno Carregueiro 01 de junho de 2017 às 15:04
Os juros que os investidores exigem para comprar dívida portuguesa no mercado secundário estão de novo a aliviar na sessão desta quinta-feira, 1 de Junho, sendo que nos títulos com uma maturidade de 10 anos a "yield" já está nos 3%.
De acordo com as taxas genéricas da Bloomberg, os juros das obrigações do Tesouro estão a aliviar 6 pontos base para 2,999%, o que corresponde ao nível mais reduzido desde Setembro do ano passado.

A descida das "yields" das obrigações do Tesouro surge num dia de relativa acalmia na dívida de outros países europeus, com as obrigações de Espanha e Alemanha estáveis ou mesmo em ligeira alta nalgumas maturidades.
 
Deste modo, o risco da dívida portuguesa está também a fixar novos mínimos, neste caso de Março de 2016. O diferencial entre os juros que os investidores exigem para comprar dívida portuguesa em detrimento da alemã, nos títulos com maturidade a 10 anos, está esta quinta-feira nos 264 pontos base.
 
O alívio nos juros da dívida portuguesa tem sido uma constante nas últimas semanas, sendo que ganhou força na quarta-feira, dia em que o Eurostat anunciou uma descida da taxa de inflação na Zona Euro para mínimos do ano, o que diminui as hipóteses de o Banco Central Europeu (BCE) equacionar uma redução dos estímulos à economia.

"Os dados sobre os preços dificilmente agradarão ao BCE, pois mostram que, mais uma vez, a projecção de inflação para 2017 é muito alta. Acima de tudo, porém, a queda da inflação core de 1,2% para 0,9% é um resultado doloroso", afirma o Commerzbank, numa nota a que o Negócios teve acesso, acrescentando que os dados sugerem que o BCE "provavelmente não aumentará as taxas de juro no futuro próximo".
 
Em relação especificamente a Portugal, continuam a ser revelados dados económicos animadores (PIB a crescer ao ritmo mais alto em dez anos e desemprego em mínimo de oito anos) e crescem, por outro lado, as pressões para que as agências de rating revejam a avaliação atribuída a Portugal, especialmente depois de a Comissão Europeia ter proposto a saída do Procedimentos dos Défices Excessivos (PDE).
 
Mesmo reconhecendo que "a recuperação da economia portuguesa é impressionante", Jean-Michel Six, economista-chefe da agência de notação financeira americana Standard & Poor’s, considerou, em entrevista ao Diário de Notícias, que "ainda é preciso perceber se esta recuperação [económica] é sustentável".

Já a Moody's considerou que a evolução da situação orçamental e a recente decisão de Bruxelas de pedir a saída do PDE terão "impacto positivo" na confiança dos investidores e no "perfil de crédito" do país.
 


Dos 4% aos 3% em dois meses

 
Depois de um pico de stress na dívida portuguesa no início do ano, quando os juros negociaram bastante tempo acima dos 4%, a tendência recente tem sido de queda continuada do risco que os investidores estão a atribuir a Portugal.
 
Em meados de Março a "yield" da dívida portuguesa a 10 anos estava nos 4,3% e no primeiro dia de Abril tinha aliviado ligeiramente para 4%. Dois meses depois a "yield" dos títulos a 10 anos já está abaixo dos 3%, pelo que a queda neste espaço de tempo foi superior a 1 ponto percentual.

Para atingir agora o valor mais baixo desde Agosto do ano passado, os juros de Portugal terão que chegar à fasquia dos 2,6%.
 
(notícia actualizada às 15:25 com mais informação)

A sua opinião51
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado GabrielOrfaoGoncalves Há 3 semanas

A ler também neste Jornal:

http://www.jornaldenegocios.pt/economia/financas-publicas/detalhe/divida-publica-sobe-para-2474-mil-milhoes-de-euros-em-abril?ref=DestaquesTopo

António Costa: o melhor primeiro-ministro de sempre... na perspectiva dos agiotas que lucram com o que emprestam a Portugal.

Força, Costa! "Devolve" lá o que foi "roubado" às pessoas. Nunca digas a essas pessoas que o que elas ganhavam antes da crise de 2008-2009 só podia ser pago com dinheiro emprestado, com o dinheiro da agiotagem internacional, e nunca com o dinheiro que a economia portuguesa, sozinha, conseguia gerar. Não lhes digas senão eles ainda têm um AVC e depois é mais despesa com o serviço nacional de saúde.

"Devolve" lá o que foi "roubado" e marimba-te na dívida e nos juros. Sê porreiro, pá, marimba-te para os números, que esses conhecem os agiotas muito bem e gostam é de tipos porreiros, alegres e sorridentes como tu, pá!

comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Boas Tardes!
Não acho graças sempre estarem a falarem nos juros resultados acima do esperado.
95% de Portugueses a viverem na pobreza escondida que o governo não fala, não tem dinheiro para comprar Pão ir ao Médico pagar Agua Luz Gás vivem muita povo em getos sem janela portas numa pobreza grande.

Anónimo Há 3 semanas

A dívida pública nacional na óptica que conta para Bruxelas aumentou quase 4 mil milhões de euros num mês e atingiu um novo recorde.

Anónimo Há 3 semanas

As esquerdas sindicais que vêem no factor trabalho um fim em si mesmo e no sindicato o clube que fanaticamente apoiam quais tiffosi inebriados pelo keynesianismo desmiolado e o marxismo anti-capital, como se houvesse alguma distinção entre os factores produtivos a não ser aquela que advém do valor que a sua combinação consegue gerar com base na mais economicamente racional alocação dos mesmos, têm que perceber que a crise económico-social de equidade e sustentabilidade que se vive é acima de tudo culpa sua porque é com base nas profundas distorções de mercado que fomentam que outras distorções de mercado obtêm as condições para surgir e proliferar.

Anónimo Há 3 semanas

Tão felizes na mediocridade. O país faliu mesmo.

ver mais comentários
pub