Crédito Juros na habitação renovam mínimos

Juros na habitação renovam mínimos

As taxas de juro têm vindo a descer e essa evolução tem-se reflectido nas taxas implícitas no crédito à habitação. O capital em dívida também está em mínimos.
Juros na habitação renovam mínimos
Bruno Simão
Sara Antunes 20 de abril de 2017 às 11:53

Os mínimos atingidos pelas taxas Euribor, que são os indexantes mais usados em Portugal na concessão de crédito, e o alívio das políticas dos bancos, que têm reduzido os "spreads", estão a reflectir-se nas taxas de juro implícitas no crédito à habitação. Em Março, a taxa de juro associada ao crédito à habitação desceu para 1,016%, o que corresponde à taxa mais baixa desde que o Instituto Nacional de Estatística (INE) tem dados (Janeiro de 2009).

 

Março corresponde assim ao 31.º mês consecutivo de descida dos juros.

 

Além da descida dos juros, o capital médio em dívida também diminuiu para 51,5 mil euros, menos quase 400 euros do que há um ano. Já a prestação média fixou-se em 237 euros, valor em que se encontra desde Setembro.

 

Já avaliando os contratos celebrados nos últimos três meses, os juros desceram para 1,665% e o capital em dívida aumentou para 91,2 mil euros, o que corresponde ao valor mais elevado desde que há dados.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub