Obrigações Juros portugueses em queda acentuada voltam a baixar barreira dos 2%

Juros portugueses em queda acentuada voltam a baixar barreira dos 2%

A tendência de alívio estende-se à generalidade dos países do euro, depois de Constâncio ter defendido que ainda é necessário um "amplo grau" de estímulos monetários na região.
Juros portugueses em queda acentuada voltam a baixar barreira dos 2%
Bruno Simão
Rita Faria 13 de novembro de 2017 às 13:20

Os juros da dívida portuguesa a dez anos estão em queda acentuada esta segunda-feira, 13 de Novembro, tendo voltado a baixar a barreira dos 2%.

A ‘yield’ associada às obrigações a dez anos desce 7,0 pontos base para 1,989%, depois de três sessões de subidas, que se seguiram aos mínimos de mais de dois anos e meio registados na quarta-feira da semana passada. Nessa sessão, a ‘yield’ tocou em 1,924%, o valor mais baixo desde Abril de 2015. Nos dias seguintes, porém, os juros voltaram a agravar-se, fechando a semana nos 2,059%.

O alívio registado esta segunda-feira estende-se à generalidade dos países do euro e acentuou-se depois de o vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE) ter defendido que ainda é necessário um "amplo grau" de estímulos monetários na região da moeda da moeda única.

Numa conferência em Frankfurt, Vítor Constâncio sublinhou que a recuperação da economia do euro é "robusta e resiliente", mas ainda dependente dos estímulos do banco central, que deve, por isso, "ser paciente e persistente".

"A economia da Zona Euro está a passar por uma recuperação ampla, robusta e resiliente, e esta recuperação é sustentada pelas medidas de política monetária introduzidas pela CEB desde Junho de 2014", referiu Constâncio, citado pela Bloomberg.

No entanto, sublinhou, "sabemos que este processo ainda depende significativamente do nosso apoio em termos de política monetária. Ainda não é auto-sustentado e, portanto, devemos ser pacientes e persistentes".

Neste sentido, o responsável defende que "um amplo grau de estímulos monetários ainda é necessário" para impulsionar a inflação no médio prazo e garantir que a recuperação da economia não perde impulso.

Esta convicção ficou patente na última reunião do BCE, que decidiu prolongar o programa de compra de activos pelo menos até Setembro de 2018, ainda que a um ritmo de apenas 30 mil milhões de euros por mês, metade dos actuais 60 mil milhões.

Em Espanha, os juros da dívida a dez anos descem 4,0 pontos para 1,536%, em Itália recuam 3,0 pontos para 1,816% e na Alemanha aliviam 2,0 pontos para 0,390%. 




A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 5 dias

Finlândia, esse lugar tão pobre, injusto e atrasado, com taxas de juro negativas a 10 anos ( http://www.afr.com/markets/debt-markets/finlands-10year-bond-yield-turns-negative-20160927-grpzqz ). E isto não tem nada a ver com este tipo de actuação: "The number of University staff will reduce by approximately 980 by the end of 2017." ( https://www.helsinki.fi/en/news/the-university-of-helsinki-terminates-570-employees-overall-staff-cuts-total-980 ); "Aalto University announced on Friday that it will shed a total of 316 positions by the end of 2018." ( www.helsinkitimes.fi/finland/finland-news/domestic/13754-aalto-university-to-lay-off-188.html ); "Digitalization has already reduced overall delivery volumes to the level of the 1960s. Therefore, we must adapt and reform our operations in order to ensure that Posti will still maintain its financial capability to build new business in order to compensate for mail delivery." https://www.apex-insight.com/posti-sees-job-cuts-in-the-offing/

comentários mais recentes
Receituário para direitolas Há 4 dias

Assim, com muita manteiga, no ai jesus dos comentadores direitolas que por aqui abundam avençados pelos donos e senhores alarvemente ricos (à custa do povo) apoiados pelo neo liberalismo dos Passos/Portas/M Luís.

Anónimo Há 5 dias

"We will gradually enter a time where having a lifetime employment based on tasks that are not justified will be less and less sustainable - we're actually already there." - Emmanuel Macron www.msn.com/en-gb/video/other/french-civil-servants-no-more-jobs-for-life/vi-AAeGlDD

surpreso Há 5 dias

Sempre os mais altos da Eurozona,àparte a obscena Grécia,MAS O VOSSO PAPEL É DE PROPAGANDA

pertinaz Há 5 dias

SOBRA MAIS PARA GASTAR... ESCUMALHA DESTE DESGOVERNO ...!!

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub