Obrigações Juros a dez anos em mínimos de cinco semanas à espera da DBRS

Juros a dez anos em mínimos de cinco semanas à espera da DBRS

A dois dias de ser conhecido o veredicto da DBRS sobre o rating de Portugal, os juros da dívida a dez anos estão a cair pela quinta sessão consecutiva para o valor mais baixo desde 13 de Setembro.
Juros a dez anos em mínimos de cinco semanas à espera da DBRS
Miguel Baltazar
Rita Faria 19 de Outubro de 2016 às 10:47

Os juros da dívida portuguesa estão a cair em todas as maturidades esta quarta-feira, 19 de Outubro, dia em que o IGCP voltou ao mercado para um leilão de bilhetes do Tesouro, e em vésperas de ser conhecido o "veredicto" da DBRS sobre o rating nacional.

Naquela que é a quinta sessão consecutiva de alívio, a ‘yield’ associada às obrigações portuguesas a dez anos desce 4,1 pontos base para 3,204%, o valor mais baixo desde 13 de Setembro. A cinco anos, a queda é de 3,2 pontos base para 1,781%.

Portugal está a acompanhar a tendência que se estende à generalidade dos países da Zona Euro, embora, por cá, as quedas sejam mais pronunciadas.

Em Espanha, os juros das obrigações a dez anos descem 1,1 pontos base para 1,088% e em Itália recuam 0,9 pontos para 1,372%. Já os juros das bunds alemãs aliviam 0,7 pontos para 0,029%.

Dado que a queda dos juros portugueses é mais acentuada do que a dos alemães, também o risco da dívida de Portugal está mais baixo esta quarta-feira. Desce 3,3 pontos para 314,9 pontos, o valor mais baixo desde 12 de Setembro.

Esta evolução acontece depois de o Governo ter apresentado as propostas de Orçamento para 2017, na passada sexta-feira, e a dois dias de a agência canadiana se pronunciar sobre o rating de Portugal.   

A DBRS é a única das quatro agências de notação financeira internacionais que coloca a dívida portuguesa num patamar de investimento, com as restantes – S&P, Moody’s e Fitch – a considerarem as obrigações nacionais como um investimento especulativo.

Assim, o "veredicto" da DBRS é aguardado com muita expectativa já que uma revisão em baixa pode ameaçar a elegibilidade da dívida nacional para o programa de compras do Banco Central Europeu (BCE). 

 

Há cerca de duas semanas, o economista-chefe da DBRS, Fergus McCormick, disse ao Financial Times que a economia portuguesa está presa num "ciclo vicioso" de dívida elevada, baixo crescimento e adiamento de reformas económicas.

 

Quatro dias depois, o ministro das Finanças Mário Centeno mostrou-se confiante que a agência de rating vai manter a nota de Portugal, já que se sente "muito confortável sobre a posição orçamental" portuguesa, que considerou "muito forte".

 

Em declarações à agência Bloomberg, depois de um encontro com a agência de notação financeira, o ministro das Finanças referiu que "a expectativa é que não irão mudar o ‘outlook’ ou a notação" na avaliação que será divulgada esta sexta-feira. 




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas

Juros a dez anos em mínimos de cinco semanas à espera da DBRS

TUDO OBRA DE PASSOS COELHO!

ESTOU A GOZAR. CLARO ESTÁ!

comentários mais recentes
pertinaz Há 3 semanas

GRAÇAS A PASSOS COELHO

A ESQUERDALHA PIDESCA E ESTALINISTA REBENTA COM TUDO

VAMOS A CAMINHO DO ABISMO

Anónimo Há 3 semanas

Mais uma má notícia para os lados de Massamá... já não chegava a derrocada eleitoral nos Açores ... será que os imigrantes açoreanos no Canada vão manipular a DBRS ... e ondam as outras agências caladinhas não é ...agora o filão é o Brasil ...

Anónimo Há 3 semanas


Os ladrões de esquerda

SÓCRATES GATUNO & COSTA LADRÃO, destroem 3 gerações de portugueses:

- Endividaram o país até à bancarrota.

- Deixaram dívidas e juros, para 3 gerações de portugueses pagarem.

Anónimo Há 3 semanas

Juros a dez anos em mínimos de cinco semanas à espera da DBRS

TUDO OBRA DE PASSOS COELHO!

ESTOU A GOZAR. CLARO ESTÁ!

pub
pub
pub
pub