Taxas de juro Juros da dívida portuguesa a 10 anos pelo quarto dia consecutivo acima dos 7%

Juros da dívida portuguesa a 10 anos pelo quarto dia consecutivo acima dos 7%

As taxas de juro implícitas nas obrigações portuguesas estão pelo quarto dia acima dos 7%, no prazo a 10 anos. No resto da Europa a tendência é indefinida, com os juros da Itália e da Alemanha a acompanharem a subida portuguesa, mas com a “yield” francesas e espanholas a registarem quedas.
Juros da dívida portuguesa a 10 anos pelo quarto dia consecutivo acima dos 7%
Jorge Garcia 11 de Setembro de 2013 às 10:17

As “yields” das obrigações portuguesas estão a subir em todos os prazos, mantendo-se acima dos 7% a 10 anos pelo quarto dia consecutivo. Neste prazo, a subida é de 1,5 pontos base para 7,121%. Os juros continuam assim acima da barreira psicológica dos 7%, depois de se terem colocado acima desta fasquia devido aos receios em torno da retirada de estímulos económicos por parte da Reserva Federal (Fed) dos EUA. A crise política em Portugal e o chumbo do Tribunal Constitucional ao diploma da requalificação dos funcionários públicos também tem pressionado os juros.

 

No prazo a dois anos, a subida desta quarta-feira é de 1,3 pontos base para 5,312%, tal como acontece no prazo a cinco anos, que regista também uma subida de 1,3 pontos base para 6,591%.

 

Em Espanha, o movimento de alívio é ainda mais moderado, com as taxas a variarem entre uma subida de 0,3 pontos no prazo a cinco anos, e uma descida de 2,0 pontos no prazo a 15 anos. Em Itália a tendência é semelhante. A queda dos juros varia entre 0,2 pontos e 1,1 ponto.

 

Tal como Portugal e a registarem subidas estão a Alemanha e a Itália. As taxas das “bunds” alemães estão a subir 4,8 pontos base a 10 anos para 2,074%, encontrando-se a tocar em máximos de 9 de Dezembro de 2011, quando atingiu os 2,149%. Em Itália, as taxas de juro estão a subir 0,5 pontos base para 4,538%, mantendo-se acima da “yield” das obrigações espanholas, algo que aconteceu ontem, terça-feira, pela primeira vez desde Março de 2012.

 

No lado oposto estão as taxas de juro implícitas nas obrigações francesas. Os juros da dívida de França a 10 anos recuam 0,6 pontos base para 2,625%. Em Espanha, a “yield” a 10 anos mantém-se inalterada nos 4,514%, apesar de em todos os restantes prazos as taxas de juro estarem a cair.




A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 11.09.2013

Este governo não oferece confiança no estrangeiro. Os alemães vão sacando o deles e o nosso e para isso o governo de Cavaco é de confiança. Para a economia europeia e para Portugal o governo de Gaspar e Cavaco , com Portas e Passos, é um dos maiores desastres que Portugal conheceu nos últimos séculos.

comentários mais recentes
Anónimo 11.09.2013

Mais uma não noticia, noticias como esta só significavam alguma coisa no tempo do socrates. Estes agora conseguem estas noticias mesmo com um governo apoiado pelo presidente e por uma maioria parlamentar.

PORTUGAL MORREU? 11.09.2013

PORTUGAL NÃO MORREU, MATARAM-NO!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Resposta de Gatunosa PORTUGAL MORREU? 11.09.2013

Caro comentador.... Portugal MORREU porque foi ASSASSINADO com muito bem o diz no seu comentário...

TUGA 11.09.2013

COMO DIRIA PAULO PORTAS, ESTAOS A APROXIMAR-NOS DA IRLANDA!
UMA TRETA!!!!!!!

Anónimo 11.09.2013

A culpa é do socrates. O catroga, o gaspar, o pires de lima e o portas vão já tratar do assunto.

Resposta de Anónimoa Anónimo 11.09.2013

Essa m*rda desse socrates e todos os socialistas deram cabo disto, era gastar a torto e a direito equanto havia, tudo á grande, agora quem vem atrás que feche a porta, e que fique mal na fotografia....

ver mais comentários
pub