Obrigações Juro de Portugal a dez anos acima de 3,5%

Juro de Portugal a dez anos acima de 3,5%

Comentários da DBRS e receios de que o BCE possa começar a reduzir o ritmo de compras pressionam as taxas das obrigações portuguesas para máximos de Fevereiro passado.
Juro de Portugal a dez anos acima de 3,5%
Miguel Baltazar/Negócios
Rui Barroso 06 de Outubro de 2016 às 16:21

A taxa das obrigações portuguesas a dez anos sobe esta quinta-feira 7,3 pontos base para 3,53%, o valor mais alto desde Fevereiro. É a segunda subida consecutiva dos juros implícitos da dívida portuguesa. Isto depois de a Bloomberg ter noticiado, no final da tarde desta terça-feira, que o BCE estava a estudar formas para retirar os estímulos à economia, apontando para a possibilidade de Frankfurt começar a reduzir o ritmo do seu programa de compras de activos em dez mil milhões de euros por mês.

A notícia foi desmentida pela entidade liderada por Mario Draghi. Mas isso não impediu que provocasse subidas das taxas das obrigações dos países da Zona Euro no final de terça-feira e na sessão de quarta-feira. Nos relatos da última reunião do banco central, divulgados esta quinta-feira, o Conselho de Governadores não fez menções à retirada de estímulos e apontou para a necessidade de preservar os apoios monetários. Após essa informação, as taxas das obrigações espanholas e italianas, por exemplo, estabilizaram. Mas o mesmo não aconteceu com as obrigações portuguesas.

O efeito DBRS

A subida da taxa nacional esta quinta-feira ocorre no dia em que o responsável pela análise de "ratings" soberanos da DBRS mostrou algumas preocupações sobre Portugal. Em declarações ao Financial Times, Fergus McCormick alertou que Portugal estava num "ciclo vicioso, preso ao baixo crescimento e com grandes problemas estruturais". Apesar de se mostrar preocupado com Portugal no médio prazo reiterou que a DBRS tem uma tendência estável para o "rating" e que não "estamos em pânico".

A DBRS é a única das quatro agências de "rating" seguidas pelo BCE que avalia Portugal em grau de investimento. Mas a classificação de BBB (baixo) está apenas um patamar acima da categoria vista como "lixo" pelos mercados. Sem um programa oficial de assistência financeira, o BCE apenas aceita como colateral e inclui no seu programa de compras títulos que tenham pelo menos uma avaliação de grau de investimento.

A taxa portuguesa a dez anos transacciona no nível mais elevado desde Fevereiro, altura em que chegou a ultrapassar os 4%. Nessa fase a explicação dos analistas para essas subidas foi, além da aversão ao risco a nível global, os receios de que a DBRS pudesse baixar o "rating" na revisão que iria fazer no final de Abril. No entanto, a agência canadiana, que mesmo durante a crise de dívida avaliou Portugal acima de "lixo", não faria alterações ao "rating" nessa avaliação.

A próxima data em que a DBRS se pode manifestar sobre o "rating" de Portugal é 21 de Outubro, poucos dias depois de se conhecer a proposta do Orçamento do Estado para 2017, que tem de ser entregue até 15 de Outubro. E dado que a entidade canadiana tem nas mãos o acesso da dívida portuguesa ao BCE, os analistas têm alertado para potenciais focos de pressão sobre as obrigações nacionais até que a DBRS dê o seu veredicto. Apesar de anteverem turbulência para as obrigações nacionais, a perspectiva mais consensual é de que a agência não corte a classificação de Portugal.




A sua opinião36
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 06.10.2016


SALÁRIO MÉDIO DOS PROFESSORES PORTUGUESES É O 3.º MAIS ALTO DA EUROPA, EM 2015 (antes da reposição dos salários da FP).

"No caso dos docentes com salários mais altos, em que o rendimento dos docentes é superior ao PIB per capita, Portugal aparece em destaque como o terceiro com salários mais elevados da Europa: Bosnia Herzegovina (327%), Chipre (282%) e Portugal (245%)."

Relatório da Eurydice.

comentários mais recentes
mmmpinto 07.10.2016

Não vai haver problema para o nosso PIB. Os "sábios" que nos governam, estão reunidos, estudando, novos impostos indirectos. Os combustíveis que já custam, mais cerca de 20% do que custavam quando iniciaram a governação, podem bem sofrer novo agravamento! Fiquemos descansados. O "Génio" do Rato que ainda não foi a Fátima, tem na manga, esse recurso!!!

xxx 07.10.2016

Sem o BCE já estávamos a mais de 7%, e portanto noutro resgate. A CGD vai pagar 8% de juro para colocar dívida. É esse o número a reter, a CGD é garantida pelo estado e a garantia vale isso. E vamos ver se não tem de ir aos 10% para alguém comprar a coisa.

Jorge Santos 06.10.2016

PT no bom caminho com novo tempo rumo ao tetra.

António Neto 06.10.2016

Estamos a meio caminho...pedimos esmola com 7%....

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub