Obrigações Le Pen faz disparar prémio de risco da França para máximos de três anos

Le Pen faz disparar prémio de risco da França para máximos de três anos

O diferencial entre a dívida francesa e a dívida alemã está a disparar para máximos de mais de três anos. O lançamento da campanha de Marine Le Pen ao Eliseu estará a penalizar a evolução do prémio de risco.
Le Pen faz disparar prémio de risco da França para máximos de três anos
Reuters
Ana Laranjeiro 06 de fevereiro de 2017 às 13:06

Marine Le Pen fez este domingo, 5 de Fevereiro, o discurso de lançamento da sua campanha eleitoral para as presidenciais francesas. A líder da Frente Nacional apresentou-se como a "candidata do povo", que vai "pôr a França primeiro". França está ameaçada por "dois totalitarismos", disse, evocando a globalização económica e o fundamentalismo islâmico, e ela quer "uma França que não deva nada a ninguém".

Se for eleita, prometeu, vai "revitalizar o sentimento nacional", tirar França do euro e da União Europeia, sair da NATO, conter a imigração, especialmente de muçulmanos, "erradicar o terrorismo", ter "tolerância zero" com a delinquência e acabar com as segundas oportunidades para os "potenciais terroristas" estrangeiros, que serão expulsos.


A líder da Frente Nacional está em boa posição na corrida presidencial quando faltam menos de três meses para a primeira volta, sobretudo desde que o seu principal adversário, o candidato da direita, François Fillon, enfrenta acusações de ter criado empregos fictícios para a mulher e dois filhos, caindo nas sondagens em benefício de Le Pen e do candidato socialista Emmanuel Macron. Aliás, de acordo com o Financial Times, a saída dos investidores da dívida francesa tem se acentuado há duas semanas, coincidindo com o escândalo que envolve François Fillon.


As palavras da candidata da extrema-direita, e a sua posição nas sondagens, não estarão assim a ser bem acolhidas nos mercados, com os receios dos investidores a penalizarem o prémio de risco da dívida francesa. A dívida pública francesa a dez anos, no mercado secundário, sobe 1,4 pontos base para 1,094%, um máximo de Setembro de 2015. Por outro lado, a dívida alemã no mesmo prazo está a cair 3,1 pontos base para 0,381%. Por conseguinte, o prémio de risco da dívida gaulesa, medido pela diferença entre a dívida alemã e francesa, está nos 71,0 pontos, o que representa o valor mais elevado desde 24 de Janeiro de 2014.

Philippe Gudin, do Barclays, em declarações ao Financial Times, alertou que sondagens "continuam muito voláteis e a incerteza continua elevada". Por outro lado, Julien Manceaux, do ING, em declarações ao mesmo órgão, apontou que "quem quer que vença a eleição presidencial, vai ter um mandato para fazer reformas muito forte, o que pode levar a uma recuperação económica da França nos próximos anos e levar a um crescimento mais elevado do PIB já em 2018, que esperamos que seja de 1,8%". "Entretanto, a incerteza vai continuar a preocupar o mercado de obrigações".


O euro está também a cair face ao dólar – recua 0,37% para 1,0743%. A moeda da Zona Euro estará também a ser penalizada pelas palavras de Marine Le Pen.

Voltando ao mercado secundário de dívida é possível perceber que não é apenas a dívida francesa que sobe. A portuguesa a dez anos cresce 4,8 pontos base para 4,220%, contribuindo para isso, possivelmente, outros factores como a agência de notação financeira Fitch ter mantido o "rating" de Portugal em BB+, com perspectiva estável. O prémio de risco da dívida nacional está também a subir, estando nos 378,5 pontos, o que representa o valor mais elevado desde 3 de Janeiro de 2014.

A dívida espanhola a dez anos, sobe 4,1 pontos base para 1,722% e a dívida italiana na mesma maturidade sobe 5,5 pontos base para 2,320%.


A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 06.02.2017

FASCISTAS E COMUNISTAS DEVIAM SER IMPEDIDOS DE CONCORRER EM DEMOCRACIAS, POIS SÃO OS PRINCIPAIS CANCROS DAS DEMOCRACIAS, COMUNISTAS E FASCISTAS SÃO A MESMA COISA USAM OS MESMOS MÉTODOS PARA ATINGIR OS MESMOS FINS.

Anónimo 06.02.2017

Não faz nada.
O problema é que já existe e o conluio não quis desvendar.

Anónimo 06.02.2017

Para jà, Macron não é o candidato do PS. Ele trabalhou no PS e depois criou o seu proprio movimento politico. O candidato do PS é HAMON.

AMLG 06.02.2017

Depois do Brexit e do ditador Trump, já só faltava mesmo era esta mini-Trump em França agora que os EUA deixaram de ser uma democracia.

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub