Câmbios Libra afunda mais de 6% em dois minutos

Libra afunda mais de 6% em dois minutos

A moeda britânica voltou esta sexta-feira a tocar mínimos de 31 anos face ao dólar, pouco depois da abertura dos mercados na Ásia. Um erro nas ordens ou o algoritmo usado na transacção poderão estar na origem da maior queda desde o Brexit.
Libra afunda mais de 6% em dois minutos
Reuters
A divisa do Reino Unido renovou esta sexta-feira, 7 de Outubro, um mínimo histórico, relativo a Maio de 1985 - 31 anos - depois de tombar mais de 6% no espaço de apenas dois minutos, um comportamento que poderá ter tido origem numa introdução errada de ordens ou no algoritmo usado na transacção.

Na sessão de hoje, a libra chegou a recuar 6,14% para 1,1841 dólares, pouco depois da abertura dos mercados na Ásia. A queda foi entretanto atenuada, e a moeda segue agora a cair 1,39% para 1,18 dólares.



Face ao euro as perdas foram também de monta - de 3,35% para 1,0934 euros -, naquele que é o valor mais baixo desde Março de 2010, mais de seis anos.

Para a divisa britânica, esta semana não tem sido marcada pela calma. Na última terça-feira, 4 de Outubro, a libra esterlina já tinha atingido o valor mais baixo das últimas três décadas face ao dólar. No último fim-de-semana, Theresa May, primeira-ministra, garantiu que o Reino Unido iria iniciar formalmente a saída da União Europeia no primeiro trimestre de 2017. O que levou os investidores a manifestarem novamente os seus receios em torno dos efeitos do Brexit na divisa e na economia após as palavras de Theresa May.

O plano da líder do Governo britânico levou rapidamente vários Governos europeus a alertarem Londres que não haverá negociações informais antes do Artigo 50 ser accionado. Os Governos da União Europeia consideram que o plano da primeira-ministra britânica ainda carece de detalhes e reiteram que não haverá conversações informais antes disso, como a governante deseja. Em declarações à BBC, a chefe do Executivo britânico afirmou que, ao avançar com este calendário, espera que os seus homólogos da UE permitam "algum trabalho preparatório" para garantir "um processo mais suave". Contudo, as declarações não foram bem recebidas entre alguns parceiros do continente, que insistem que May deve invocar o Artigo 50 do Tratado de Lisboa, antes de se dar início a quaisquer conversações.

Outro factor que pode ter tido efeito neste comportamento da divisa do Reino Unido foram as palavras do presidente francês, François Hollande. De acordo com o Financial Times, o líder francês assinalou que os britânicos devem sofrer as consequências de quererem sair do bloco europeu. Discursando num jantar em Paris na última noite, em que o presidente da Comissão Europeia, entre outros, marcaram presença, Hollande afirmou: "o Reino Unido decidiu pelo Brexit e acredito mesmo que por um 'hard Brexit'". "Temos de percorrer todo o caminho da vontade do Reino Unido para deixar a União Europeia. E temos de o fazer com firmeza".

Caso contrário, salientou o presidente francês citado pelo jornal britânico, "podemos comprometer os princípios fundamentais da União Europeia". "Outros países poderiam querer sair da UE para terem as supostas vantagens sem as obrigações".


"Tem de haver uma ameaça, tem de haver um risco, tem de haver um preço. De outra forma, vamos estar numa negociação que não pode terminar bem", disse ainda François Hollande.

O Financial Times avança cinco possíveis explicações para o tombo do valor da moeda. Além do possível efeito das declarações de Hollande ou do erro na introdução de ordens de venda por parte de operadores ou do algoritmo usado, a forte queda pode ter-se devido a investidores que procuraram tirar partido da baixa liquidez àquela hora, ao fim do prazo para exercer opções ou ao fecho automático de posições quando a libra transacciona abaixo de determinado valor.

(Notícia actualizada pela última vez às 10:16)



A sua opinião14
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 07.10.2016


SALÁRIO MÉDIO DOS PROFESSORES PORTUGUESES É O 3.º MAIS ALTO DA EUROPA, EM 2015 (antes da reposição dos salários da FP).

"No caso dos docentes com salários mais altos, em que o rendimento dos docentes é superior ao PIB per capita, Portugal aparece em destaque como o terceiro com salários mais elevados da Europa: Bosnia Herzegovina (327%), Chipre (282%) e Portugal (245%)."

Relatório da Eurydice.

comentários mais recentes
João Silva 07.10.2016

Vitor Campanhã Gomes pensa em aproveitar ;)

Anónimo 07.10.2016


PS LADRÃO, em ação (sempre a roubar os trabalhadores do privado).

COSTA LADRÃO aumenta impostos, aumenta dívida, aumenta despesa com salários e pensões da FP…

e corta em tudo o resto!

Gatunos 07.10.2016

Estamos a ser governados por computadores e imbecis com folhas de cálculos e gráficos em "PowerPoint" , depois é o que sabe, os cálculos e as previsões nunca acertam, depois quem paga as "favas" é o Zé povinho.

Anónimo 07.10.2016

@francisco, que história é essa da manteiga? Como a nossa produtividade é menor, é lógico que um mesmo bem seja mais caro feito cá. O que tem isso a ver com o resto?

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub