Câmbios Libra: "dedo gordo" ou o Brexit?

Libra: "dedo gordo" ou o Brexit?

A moeda britânica afundou mais de 6% em apenas dois minutos. Uma queda abrupta que poderá ter resultado de ordens errada.
Libra: "dedo gordo" ou o Brexit?
Patrícia Abreu 09 de Outubro de 2016 às 18:23
Eram 7h07 da manhã em Hong Kong, a libra transacciona em 1,26 dólares. Às 07h09, a moeda britânica já está em 1,1841 dólares. Um intervalo de 120 segundos em que a moeda britânica perdeu mais de 6%, para passar a negociar em mínimos de 31 anos. Justificação? À partida nenhuma. A causa mais provável é tratar-se de um "dedo gordo", ou uma ordem de computador errada. Mas a fraca liquidez e o Brexit podem ter ajudado.

A crise financeira habituou os investidores a movimentos bruscos nas cotações. Mas a queda abrupta da libra na madrugada da última sexta-feira poderá ter sido originada por um erro na introdução de ordens de venda por parte de operadores ou do algoritmo usado. É que, depois da queda relâmpago no espaço de dois minutos, a libra estabilizou, ao recuar 1,33% para 1,2448 dólares.

"A queda relâmpago da libra não foi explicada por qualquer razão fundamental, mas por falta de liquidez", explicou Aurelija Augulyte, estratego da Nordea Markets. O próprio Banco de Inglaterra admitiu não conhecer a justificação para o colapso brusco da libra, tendo aberto uma investigação para perceber o que originou o tombo da moeda. Mas, para a maioria dos especialistas, este movimento deverá ter sido desencadeado por um "dedo gordo". Ou seja, algo tão simples como colocar zeros a mais ou o preço errado numa ordem de venda.

Ainda que a maioria dos especialistas atribua a esta teoria a justificação para a correcção da moeda do Reino Unido, alguns especialistas apontam o "início" do Brexit como a causa da fraqueza da libra. Theresa May, a primeira-ministra, adiantou que vai iniciar a formalmente o pedido de saída da União Europeia em 2017 e o presidente francês disse que os britânicos devem sofrer as consequências de sair da União.

Com o processo do Brexit a começar a materializar-se e a pressão vendedora a acentuar-se, a fraca liquidez do mercado cambial poderá intensificar os movimentos de subida e descida.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Neste pais onde me encontro daqui a um par de anos a lingua Mae vai dar lugar ao ingles,nao ira acontecer o mesmo ao euro?

pub